Negociar com as crianças é o segredo para economizar no material escolar

Materiais com personagens famosos são os mais caros

Além das contas e impostos que chegam todo início de ano, a lista de material escolar é um dos gastos que entra no orçamento de muitas famílias. Apesar da pesquisa de preços, pais afirmam que a economia acontece mesmo na negociação com as crianças na hora de escolher entre produtos com personagens ou simples.

Márcia Alencar compra os materiais com a ajuda da filha, mas afirma que o segredo é ter um combinado de valores. Foto: Marcos Ermínio

Com muita sinceridade Márcia Alencar, estudante e mãe, confessa que “esta é a pior época do ano, quando a gente mais gasta mesmo”. Ela afirma que é importante fazer uma pesquisa de mercado. “Primeiro eu fiz uma cotação em três lugares, antes de decidir aqui”. A menina, que vai começar o 4º do Ensino Fundamental I, acompanha a mãe nas compras, mas Márcia destaca que “existe um combinado” para não extrapolar nos valores.

Para economizar, ela comenta que também aproveita itens do ano anterior. “Apontador, régua, tesoura e materiais de madeira a gente sempre usa o que já tem, porque ainda está bom”. Mesmo conversando com a filha e reutilizando materiais antigos, Márcia gasta por volta de R$ 1 mil para comprar a lista completa para um ano inteiro.

O psicólogo Ezequiel de Almeida estava em uma papelaria acompanhado da esposa para comprar os itens escolares do filho. Sobre a ausência do filho ele diz que “ficou dormindo e nós viemos, ele já tinha dito o que quer e viemos atrás”, explica o pai do garoto de 11 anos. 

Sobre as escolhas do filho, ele diz que pela idade já não precisam mais lidar com pedidos de personagens famosos, normalmente os mais caros. Para ele, a fórmula para economizar nas compras é prestar atenção nas marcas e educar as crianças para que cuidem dos materiais. “Nem sempre a marca mais cara significa que o produto é o melhor, é muito relativo”.

Ezequiel comenta que o filho já passou três anos com a mesma mochila. “Estojo, mochila e lancheira a gente faz com que ele cuide mais e às vezes é melhor investir em um material que vai durar”. Sobre as compras antecipadas, o psicólogo avalia que este é o melhor período para evitar estresse com lugares tumultuados. 

Compras em cima da hora

Jorge Fernandes explica que o movimento fica maior na véspera das aulas. Foto: Marcos Ermínio

“Quanto mais próximo das aulas, maior o movimento”, afirma Jorge Fernandes, proprietário de uma papelaria no centro de Campo Grande. “Para nós o melhor é que venham antecipadamente”, diz ele, que se preocupa com o atendimento dos clientes.

Jorge explica que a venda de material escolar começa em novembro, mas que o movimento em janeiro é até 40% maior que em outros meses. Para atender a demanda do começo de ano, cerca de 15 funcionários temporários são contratados todos os anos. 

Embora não haja uma forma exata de economizar, o proprietário da papelaria indica que os pais optem por materiais sem personagens famosos. “Às vezes uma mochila com personagem é o dobro do preço de uma com o mesmo material”, comenta. Mas o segredo para ele é não levar as crianças. “Quem quer economizar bastante acaba vindo sem a criança”.

Edgar Rocha, gerente de outra papelaria da região central campo-grandense, acredita que às vezes os pais podem se complicar ao escolherem os materiais sem os filhos. “Se não traz a criança, acabam voltando para trocar. Por isso o pai que traz na hora já sai daqui com tudo resolvido”.

O gerente garante que não é preciso esperar a última semana para fazer as compras e economizar, pois os preços são pensados para a temporada inteira. “Nossos produtos não têm liquidação, porque acabam vendendo o ano inteiro”, explica.

Papelarias ou lojas de variedades?

Nesta época do ano é comum encontrar muitos produtos de papelaria em lojas de variedades domésticas. Em busca de preços melhores muitos pais acabam dividindo a lista de materiais escolares em diversos estabelecimentos.

Especial Midiamax

Este é o caso de Maria de Lourdes Moraes, professora aposentada que tinha a missão de comprar o material escolar de três netos, dois do Ensino Fundamental I e um do maternal. “Já comprei alguns em outros lugares, mas vim nessa loja de variedades para procurar o que faltou por um preço melhor”, comenta.

O gerente da loja de variedades, Claudinei Oliveira, comemora o grande movimento que a loja tem nesta época do ano. “Esse ano está mais movimentado do que no ano anterior, está melhor porque a gente sempre tem algum tipo de promoção”.

O Jornal Midiamax fez uma lista básica de material escolar e pesquisou preços em uma papelaria e em uma loja de variedades, considerando os produtos mais baratos sem especificação de marcas. Após a pesquisa foi concluído que os valores separadamente se aproximam e variam, devido a variedade de marcas e produtos, mas no valor total do kit é possível economizar um pouco fazendo compras em lojas de variedades. 

 

Mais notícias