MS quer R$ 12 milhões da União para ampliar ações de combate ao coronavírus

SES integra grupo de entidades que querem R$ 1 bilhão para ações logísticas envolvendo cenários de infecção por Covid-19

Mato Grosso do Sul espera recebimento emergencial de R$ 12 milhões do Ministério da Saúde para para custear despesas com logística de triagem e internações de pacientes, em decorrência do coronavírus (Covid-19). A SES (Secretaria de Estado de Saúde) integra o grupo de entidades representadas pelo Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) que, na última terça-feira (10), reforçou pedido de ajuda do Governo Federal para as ações frente à doença.

As secretarias querem, ao todo, concessão emergencial de R$ 1 bilhão para as despesas decorrentes das ações, que não tinham previsão orçamentária. No contato feito pelo presidente do Conass, Alberto Beltrame, foi solicitada liberação imediata de 20% desse valor, equivalente a R$ 200 milhões, às unidades de federação, em decorrência do crescimento dos custos.

“Com apoio de todas as secretarias, o presidente do Conass reforçou o pedido ao Ministério da Saúde, que acenou positivamente. A liberação vai depender da articulação interna, porque esses recursos também não estavam na previsão orçamentária aprovada pelo Congresso. E pedimos para sinalizar, pelo menos, essa valor de 20%, para que a gente possa fazer esse enfrentamento dessa demanda que é o coronavírus, declarou o titular da SES, Geraldo Resende

Cálculo

Para chegar à cifra bilionária, o Conass calculou o custo de R$ 4,5 per capita nas ações como logística de internação e triagem de pacientes – o que em MS resulta nos R$ 12 milhões, levando em conta população de aproximadamente 2,6 milhões. A liberação imediata, portanto, direcionaria 20% desta quantia – R$ 2,4 milhões – para as ações relacionadas ao Covid-19 no Estado.

A liberação emergencial dos R$ 200 milhões às secretarias de Saúde, segundo o Conass, fazem parte de estratégia cautelar, visto que, no Brasil, ainda não há registro de transmissão comunitária da doença. Em Mato Grosso do Sul, por exemplo, todas as situações atualmente investigadas são de pacientes que estiveram no exterior e que após a chegada no país desenvolveram sintomas de síndrome gripal.

Liberação iminente

Segundo Resende, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), já sinalizou que ainda nesta semana deve anunciar uma forma de liberar os recursos solicitados. Na semana passada, porém, Mandetta havia afirmado que ainda não havia necessidade do repasse extra aos Estados. “Só vamos fazer alocações de recursos quando houver uma situação real”, detalhou.

A condição parece ter sido atingida nesta quarta-feira (11), quando o país passou a contabilizar 34 casos confirmados de coronavírus. O Governo Federal também posicionou que, no pior dos cenários, o Brasil sofrerá aumento exponencial de casos em duas semanas e meia, segundo declaração de Mandetta ao jornal Folha de S. Paulo.

Prevenção é o caminho

MS quer R$ 12 milhões da União para ampliar ações de combate ao coronavírusA prevenção ao coronavírus é simples, e serve também para a maioria dos vírus que são transmissíveis por gotículas de saliva e por contato, como a influenza. O primeiro passo é higienizar as mãos regularmente com água e sabão.

Não é preciso fazer força. Basta esfregar gentilmente as mãos com sabonete ou sabão. Não esqueça a região entre os dedos e unhas, até a altura do pulso, por cerca de 20 segundos. Depois, seque bem com papel descartável. Se não houver água e sabonete, você pode usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.

Também é recomendado higienizar as mãos com álcool em gel após tocar em superfícies compartilhadas, como corrimãos, maçanetas, barra de ônibus, dentre outros.

Outro hábito a ser incorporado na rotina é evitar, com as mãos sujas, toques no rosto e em áreas de mucosa, como olhos, nariz e boca. Ao espirrar e tossir, deve-se usar a parte interna do cotovelo para evitar a dispersão de micro-organismos no ambiente, e limpar o rosto com um lenço descartável, que deve ser colocado imediatamente no lixo.

As máscaras são indicadas a qualquer pessoa que manifeste sintomas gripais, como tosse, espirros e coriza, independente de ser ou não coronavírus, pois os itens ajudam a evitar a dispersão de gotículas de saliva. Porém, elas não têm eficácia de evitar a infecção.

Para prevenir infecções desse tipo, deve-se evitar aglomerações, espaços fechados e contato físico com pessoas com sintomas gripais. Também é recomendado não compartilhar objetos como canudos, talheres, bombas de tereré e chimarrão, piteiras e narguilés.

Por fim, a limpeza de ambientes e superfícies pode ser feita com facilidade usando-se produtos comuns de limpeza, como álcool 70%, água sanitária e desinfetantes em geral.

MS quer R$ 12 milhões da União para ampliar ações de combate ao coronavírus
Mais notícias