Cotidiano

Apesar da pandemia, maioria das escolas particulares de Campo Grande mantém férias só em julho

As escolas estaduais iniciaram o recesso escolar na última segunda-feira (4), mas a maioria dos colégios particulares continua com as aulas à distância. O Governo de Mato Grosso do Sul oficializou na semana passada a decisão de antecipar as férias de julho nas escolas estaduais. A medida foi tomada para conter a disseminação do coronavírus […]

Mylena Rocha Publicado em 06/05/2020, às 10h34 - Atualizado às 14h58

Foto Ilustrativa: Pixabay
Foto Ilustrativa: Pixabay - Foto Ilustrativa: Pixabay

As escolas estaduais iniciaram o recesso escolar na última segunda-feira (4), mas a maioria dos colégios particulares continua com as aulas à distância. O Governo de Mato Grosso do Sul oficializou na semana passada a decisão de antecipar as férias de julho nas escolas estaduais. A medida foi tomada para conter a disseminação do coronavírus e a recomendação é que as escolas particulares façam o mesmo. Entretanto, a maioria dos colégios privados têm optado por não alterar o calendário escolar. 

A prefeitura da Capital também decidiu antecipar as férias, e as aulas só voltam depois de 22 de maio. Em Campo Grande, não houve um consenso definido pelo sindicato, logo cada colégio pôde optar por adotar ou não a antecipação do recesso. 

O Colégio Nota Dez adotou o recesso logo no início da pandemia e, por isso, agora os alunos seguem normalmente com as aulas à distância. Outros dos principais colégios particulares da Capital também optaram por manter as aulas retomas e não antecipar as férias. Os colégios Bionatus, Adventista, Paulo Freire e Geração Resultados também continuam com a rotina de aulas. 

A Funlec (Fundação Lowtons de Educação e Cultura) optou por manter o recesso para julho e continuar com as aulas online. O gerente pedagógico Hudson Cruz Ortiz diz que as escolas da rede não devem antecipar o recesso justamente para não interromper o processo de adaptação dos alunos às aulas remotas. 

“Conseguimos com que os alunos estudem nas plataformas online. Mais de 95% deles têm feito as aulas online, se eu quebro esse processo, vai atrapalhar o aluno”, diz. O gerente pedagógico explica que a Funlec não tem porquê antecipar o recesso, já que as escolas já estão adaptadas ao ensino à distância e considerando que ainda não há uma projeção de cenário sobre a pandemia.

Uma das únicas exceções é o Colégio Dom Bosco, que seguiu a recomendação do estado e antecipou as férias. Em nota, a unidade ressaltou que está seguindo as orientações e deliberações do CNE (Conselho Nacional de Educação), e assim como o decreto municipal, decidiu que a suspensão de aulas será do dia 4 a 17 de maio.  

“Para que o citado período sirva como momento de descanso à comunidade escolar, nossos coordenadores já estão organizando o encerramento do 1° bimestre, bem como elaborando o calendário com a programação das atividades previstas para o 2°bimestre, cujo início está marcado para 18 de maio. Aguardamos decisão do Poder Público sobre metodologia das aulas do próximo bimestre, presenciais ou on-line”, comunicou ainda na semana passada.

Jornal Midiamax