Frio, pandemia e o que dá para comprar com o auxílio: famílias de Campo Grande relatam drama de morar em favela

Doações são cada vez mais escassas na favela e alguns moradores sequer conseguem o auxílio

A pandemia de coronavírus se tornou um período difícil para muitas pessoas, mas a situação fica ainda mais complicada para quem mora em uma em Campo Grande. Com a chegada do frio e a dificuldade de conseguir trabalho, muitas famílias ‘se viram’ como podem para sobreviver. A pandemia ainda traz outro agravante: as doações ficam cada vez mais escassas e para quem consegue receber o auxílio emergencial de , o dinheiro só é suficiente para abastecer o armário e a geladeira. 

Frio, pandemia e o que dá para comprar com o auxílio: famílias de Campo Grande relatam drama de morar em favela
Única fonte de renda de joana é o Vale Renda de R$ 180. (Foto: Henrique Arakaki/Midiamax)

Joana Elizete Pedrosa, de 50 anos, é viúva e mora com a filha de 11 anos na Favela do Linhão. Ela conta que não conseguiu receber o auxílio de e ainda parou de receber a aposentadoria do marido. 

A moradora relata que enfrentou uma verdadeira saga na tentativa de receber o auxílio ou ao menos conseguir acessar a poupança deixada pelo marido. Sem acesso a um celular ou tecnologia, ela também não conseguiu o auxílio emergencial. 

Outro problema são a falta de doações, que antes ao menos garantiam alimento e agasalho para enfrentar o frio na Capital. Agora, o único recurso que ela tem é o Vale Renda no valor de R$ 180. “É difícil, antes ainda vinham pessoas doar cesta básica e roupas, mas as doações pararam”. 

Na , a solidariedade entre os moradores é essencial em um tempo tão difícil. A moradora Ingrid Oliveira, e 30 anos, é mãe chefe de família e conseguiu receber o auxílio no valor de R$ 1,2 mil. Com o dinheiro, ela ajuda a vizinha Joana como pode. 

Fabiana de Souza, de 36 anos, também conseguiu o auxílio, mas diz que o recurso só é suficiente para colocar comida na mesa. “Sem doações, todo o dinheiro vai para comprar alimento”.

Adelaido - Favela Linhão
Adelaido trabalha com reciclagem, mas não tem conseguido serviço durante pandemia. (Foto: Henrique Arakaki/Midiamax)

O casal Ediran Domingos e Adelaido Jorge também não conseguiu acesso ao auxílio emergencial. Ediran perdeu os documentos e não consegue fazer a solicitação. No caso de Adelaido, falta o (Cadastro de Pessoa Física). Eles contam que receberam um lote da Prefeitura, assim como muitos outros moradores, mas não conseguem se mudar por falta de recursos. 

“Se recebesse , daria para comprar a madeira para a casa e o frete, não sobra”, diz. Adelaido trabalhava com reciclagem, mas não tem conseguido serviço devido à pandemia.

Enquanto a reportagem esteve no local, muitos moradores relataram a dificuldade de sair da e ir para o lote regularizado. Sem dinheiro até para comer, muitos moradores não sabem como vão conseguir recursos para comprar madeiras para montar o barraco ou até como instalar o padrão de energia elétrica.

Para ajudar, é possível entrar em contato com um dos moradores da comunidade, nos telefones 67 9923-1856 ou 67. 99183-8988

Frio, pandemia e o que dá para comprar com o auxílio: famílias de Campo Grande relatam drama de morar em favela
Mais notícias