Duas toneladas de lixo já foram recolhidas em megaoperação contra Aedes na Capital

Campo Grande já tem 359 casos confirmados de dengue

Em uma semana, a megaoperação de combate ao , inspecionou quase três mil imóveis e o recolheu quase duas mil toneladas de materiais inservíveis de grande e pequeno volume em Campo Grande. A ação é realizada esta sexta-feira (31) na região do Imbirussu, e deve chegar até as outras seis regiões da Capital até abril.

De acordo com a CCEV (Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais) da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), durante os dias 24, 25, 26 e 29 de janeiro, foram inspecionados 2.941 imóveis, sendo eliminados 4.126 depósitos e 183 focos do mosquito Aedes aegypti.

Durante a ação, foram disponibilizados quatro pontos para que os moradores da região fizessem o descarte de materiais inservíveis de grande e pequeno volume, como geladeiras, televisores, sofás, camas, entre outros.

A Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos) estima que mais de 2 mil toneladas tenham sido descartadas até o momento nestes locais.

Executada na região Imbirussu, a operação realiza a limpeza de terrenos públicos, transporte de materiais inservíveis descartados, alocação pontual e temporária dos descartes em locais previamente definidos, fiscalização e autuação de descartes irregulares, visita às casas pelos agentes de combate às endemias para detecção de focos, limpeza, orientação e conscientização da população sobre os riscos e consequências das doenças transmitidas pelo mosquito.

Na próxima semana a previsão é de que a operação Mosquito Zero seja realizada na região do Anhanduizinho.

Infestação pelo Aedes

Conforme o LIRAa (Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo o Aedes aegypti), sete áreas de Campo Grande foram classificadas com o risco de surto de doenças transmitidas pelo mosquito.

O número de áreas em alerta praticamente dobrou, em comparação com o último LiRaa divulgado em novembro do ano passado, passando de 22 para 42 áreas. Dezoito áreas permanecem com índices satisfatórios.

O índice mais alto foi detectado na área de abrangência da USF Iracy Coelho, com 8,6% de infestação. Isso significa que de 233 imóveis vistoriados, em 20 foram encontrados depósitos. A área da USF Azaleia aparece em segundo com 7,4% de infestação, seguido da USF Jardim Antártica, 5,2%, USF Alves Pereira, 4,8, USF Sírio Libanês, 4,4%, Jardim Noroeste, 4,2% e USF Maria Aparecida Pedrossian (MAPE), 4,0%.

Dados epidemiológicos

Segundo o boletim epidemiológico da SES-MS (Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul), divulgado nesta quinta-feira (29), das 6.126 notificações registradas no Estado, 1.344 casos foram confirmados. Campo Grande segue liderando com 359 casos, dos 943 notificados e um óbito, de um homem de 30 anos, já foi confirmado.

Conforme a Sesau, também foram foram registradas em Campo Grande 19 notificações de Zika Vírus e nove de Chikungunya, que ainda estão passando por processo de avaliação laboratorial para confirmar ou não as suspeitas. (Com informações da Assessoria)

Duas toneladas de lixo já foram recolhidas em megaoperação contra Aedes na Capital
Mais notícias