Corpos de vítimas de coronavírus devem ficar até 2 horas em contêineres no HRMS

Decreto orienta funerárias a recolher corpo de vítimas nos hospitais em até 2 horas, além de realizar serviços de velório em até 24 horas

Os corpos de vítimas mortas em consequência de coronavírus, acomodados em contêineres refrigerado no  (Hospital Regional de ), devem ser remanejados pelas funerárias em até 2 horas. Devido a superlotação por óbitos na unidade, os corpos serão guardados em novos espaços.  

Segundo a (Secretaria Estadual de Saúde), o protocolo segue as medidas de biossegurança para manejo de cadáveres, pois, os riscos de infecção e transmissão da continua exposto por saliva, sangue, e fluidos corporais, já que vírus pode permanecer viável em superfícies ambientais por 24 horas ou mais, e também pode ser transmitido por aerossóis. 

“Como o SARS-CoV2 (nome científico da doença) é transmitido por contato é fundamental que os profissionais sejam protegidos da exposição a sangue e fluídos corporais infectados, objetos contaminados ou outras superfícies ambientais contaminadas”, explica o decreto.  

Além disso, o número de profissionais no manejo dos corpos deve ser o menor possível, com portas fechadas, e cuidado redobrado na remoção de drenos, tubos e cateteres. Sobre os procedimentos de necropsia, o protocolo prevê a coleta de material para realização de exames e notificar as autoridades competentes.  

Já no transporte dos corpos, a Saúde determina que deve ser feito com utilização de revestimentos impermeáveis para impedir o vazamento de líquido. “O carro funerário deve ser submetido à limpeza e desinfecção de rotina após o transporte do cadáver; remover adequadamente o EPI (Equipamento de Proteção Individual) após transportar o corpo e higienizar as mãos com água e sabão imediatamente após remover o EPI”.  

Segundo a assessoria do Hospital Regional, quatro corpos foram remanejados no contêiner hoje, porém, já foram levados pelo serviço funerário.  

Corpos de vítimas de coronavírus devem ficar até 2 horas em contêineres no HRMS
Mais notícias