Cotidiano

Coronavírus: Quase metade dos municípios de MS não têm respiradores, aponta IBGE

Um levantamento apontou dados sobre a estrutura de saúde para o tratamento de casos de coronavírus em Mato Grosso do Sul. Quase metade das cidades do estado não tem respiradores. Os equipamentos são utilizados para a ventilação mecânica em pacientes com dificuldades respiratórias graves.  MS tem 31 respiradores para cada 100 mil habitantes, apontou o […]

Mylena Rocha Publicado em 08/05/2020, às 11h44

Recursos serão para custeio de 5 leitos de UTI para pacientes com Covid-19. (Divulgação)
Recursos serão para custeio de 5 leitos de UTI para pacientes com Covid-19. (Divulgação) - Recursos serão para custeio de 5 leitos de UTI para pacientes com Covid-19. (Divulgação)

Um levantamento apontou dados sobre a estrutura de saúde para o tratamento de casos de coronavírus em Mato Grosso do Sul. Quase metade das cidades do estado não tem respiradores. Os equipamentos são utilizados para a ventilação mecânica em pacientes com dificuldades respiratórias graves. 

MS tem 31 respiradores para cada 100 mil habitantes, apontou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O levantamento utiliza dados de 2019 do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde 2019 (DataSUS). Portanto, vale ressaltar que os dados podem mudar, já que houve investimento na estrutura de saúde diante da pandemia de coronavírus. Só no início do mês passado, MS recebeu mais 15 respiradores.

O estado ficou em 7º lugar no ranking sobre a disponibilidade de respiradores. O Distrito Federal lidera, com 63 respiradores para 100 mil habitantes, seguido pelo Rio de Janeiro (42), São Paulo (39), Mato Grosso (38) e Espírito Santo (35). Estados do Norte e Nordeste são os menos equipados: Amapá (10 respiradores por 100 mil hab.), Piauí (13), Maranhão (13), Alagoas (15) e Acre (16).

Em MS, a cidade com mais respiradores é Campo Grande, com um total de 554 equipamentos, sendo 62 para cada 100 mil habitantes. Em seguida vem Dourados, com 122 (55 para cada 100 mil hab.) e Três Lagoas com 45 (37 para cada 100 mil hab.).

A pesquisa ainda aponta que MS possui o 10º maior número de leitos de UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) do país. Segundo levantamento do IBGE, o índice no estado foi de 14 leitos para cada 100 mil habitantes. 

Apenas sete municípios de MS possuíam leitos de UTI: Aquidauana, Campo Grande, Corumbá, Dourados, Nova Andradina, Ponta Porã e Três Lagoas. Destes municípios, Dourados registrou o melhor índice, com 31 leitos de UTI para cada 100 mil habitantes. Em seguida aparece Campo Grande (29), seguido por Aquidauana (21).

Médicos e enfermeiros disponíveis

Dados apontam que em 2019 MS possuía a 9ª melhor distribuição de médicos no país, com 195 profissionais por 100 mil habitantes. No estado, Campo Grande tem o maior número de médicos, com 280 a cada 100 mil habitantes. O ranking das cidades é seguido por Dourados  (254 por 100 mil hab.) e Anaurilândia (243 por 100 mil hab.). O município com o menor indicador é Vicentina, com 16 médicos por 100 mil habitantes.

“O recomendável são 80 médicos generalistas por 100 mil habitantes. Entretanto, esse parâmetro é válido para uma situação de normalidade. Neste momento de pandemia, essa recomendação deve ser relativizada, pois a demanda pelo sistema de saúde é maior”, disse o coordenador de Geografia e Meio Ambiente do IBGE, Cláudio Stenner.

Com relação ao número de enfermeiros, MS também fica na 9ª colocação, com 128 profissionais por 100 mil habitantes. Dos municípios sul-mato-grossenses, Figueirão tem o maior índice de enfermeiros por habitantes: 229/100mil hab. Em seguida vem Dourados (225) e Alcinópolis (206). O município de MS com o menor índice é Deodápolis, com 36 enfermeiros por 100 mil habitantes.

Jornal Midiamax