Coronavírus: fábricas trocam produção de itens para narguilé e troféus por máscaras

Atingidos pelos efeitos econômicos da pandemia, irmãos juntam produções e passam a atender demanda com item que está em falta no sistema de saúde

No lugar de troféus, molduras de acrílico e material para narguilés, duas empresas de campo grande concentraram sua produção em máscaras para profissionais de saúde. A medida, adotada em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), foi tomada após os irmãos que comandam os negócios perceberem a falta dos itens para aquisição na rede pública de saúde. Como resultado, a produção iniciada há cerca de uma semana teve a primeira leva já toda comercializada.

“Não se encontrava mais a máscara na cidade. Começamos a produzir para ajudar a empresa e os funcionários e, ainda, ajudar o sistema de saúde”, afirmou o empresário Haycson Silveira, proprietário de uma fábrica de produtos em acrílico na Avenida Hiroshima, no Carandá Bosque. A empresa, como outras, teve queda na movimentação em virtude da pandemia –da mesma forma que a fábrica de itens para narguilé no Jardim Montevidéu de seu irmão, Hayllon.

Diante da capacidade ociosa com o coronavírus –que forçou diversos estabelecimentos a suspenderem a produção a fim de evitar aglomerações ou por falta de demanda– e da necessidade criada na rede de saúde por alguns equipamentos, ambos decidirem unir esforços e as indústrias sob um objetivo. E, claro, seguindo as orientações das autoridades de saúde contra aglomerações.

coronavírus, novo coronavírus, Covid-19, pandemia de Covid-19, fábrica de produtos de acrílico, fábrica de produtos para narguilé, produção de máscaras para a saúde, Campo Grande
Aviso de fábrica de itens para narguilé sobre riscos para compartilhamento de itens e item fabricado por indústria de acrílico: unificação de atividades. (Fotos: Reprodução)

“São dois locais. Um galpão com maquinário e uma loja física na Hiroshima. Agendamos com os clientes individualmente, um por horário e, no caso de atender a outras cidades, tratamos com a transportadora para entregar”, explicou Haycson. Na terça-feira, a produção somou 230 unidades de máscaras de acrílico, com expectativa de fabricação de até 600 unidades para suprir a procura.

A necessidade de se evitar as aglomerações, segundo o empresário, inclui também a linha de produção, que segue orientações dos decretos baixados pela Prefeitura de Campo Grande para evitar a disseminação do coronavírus entre os trabalhadores.

“Todos os funcionários usam máscaras, há álcool em gel por todas as empresas, assim como máscaras e luvas para eles. E, como as máscaras passam de uma mão para outra, também são higienizadas e colocadas em sacos plásticos”, explicou Haycson –cuja fábrica chegou a anunciar férias coletivas em meio à pandemia e, agora, atuam com equipes reduzidas. “Havíamos parado de atender totalmente e, agora, tentamos atuar de outro jeito”.

Mais notícias