Consumo aumenta, mas ainda não compensa trocar gasolina por etanol em MS

Mesmo mais barato, preço do etanol ainda não compensa para o bolso do consumidor

O consumo de hidratado dá sinais de recuperação em Mato Grosso do Sul, mas ainda não compensa abastecer com ele, pelo menos por enquanto. A avaliação leva em conta que abastecer com álcool só vale a pena quando o preço do combustível custar menos do que 70% do preço cobrado pela gasolina. Em Campo Grande, essa conta fica quase que empatada, variando entre 69% e 71%.

Além disso, o cálculo dos 70% acontece porque o veículo com álcool gasta mais litros para percorrer a mesma distância do que o com gasolina. Em um posto pesquisado pelo Jornal Midiamax, o é comercializado a R$ 3,097 e dividido pelo valor da gasolina, R$ 4,387, resultando em 70,594%, ou seja, não compensando a troca no bolso do consumidor.

A reportagem também pesquisou os valores em outros cinco postos de combustíveis em Campo Grande, encontrando a mesma média.

Mesmo diante desse cenário, a Biosul (Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul) comemora os sinais de recuperação, já que o consumo dos combustíveis teve uma queda significativa por conta do isolamento da população com a pandemia (Covid-19) em todo o país.

Segundo os dados da (Agência Nacional de , Gás Natural e Biocombustíveis), no mês de julho, foram consumidos 9,1 milhões de litros do biocombustível, volume 8% maior com relação ao mesmo mês em 2019 quando registrou 8,4 milhões de litros.

O consumo de hidratado no Estado, apesar de se manter no primeiro mês, em abril teve queda de 15% comparado ao ano anterior com a venda de 7,8 milhões de litros. A baixa se manteve em maio com consumo 7% menor. Já no mês seguinte, a venda do biocombustível equiparou-se ao ano anterior (+4%), confirmando sinais de recuperação em julho.

Preço

Além do retorno gradual do isolamento da população, o preço mais competitivo com relação a Gasolina C é um dos fatores para a recuperação. Entre os dias 18 a 22 de agosto, de acordo com o último levantamento semanal da , o preço médio do hidratado no Estado foi cotado a R$ 3,144, sendo encontrado até por R$ 2,939, preço que se manteve desde a semana anterior. Com relação ao mesmo mês em 2019, a queda é de 10% no preço do biocombustível, custando 23 centavos a menos para o consumidor.

Na Capital, o biocombustível foi cotado no valor médio de R$ 3,037, o mais em conta do Estado. O consumidor chegou a encontrar em alguns postos combustíveis o hidratado com valor abaixo de 70% com relação ao preço da Gasolina C. No Estado a paridade entre o preço médio dos dois combustíveis é de 72%.

A Biosul aderiu, junto a diversas entidades do setor sucroenergético nacional, o movimento Abasteça com Etanol. A campanha convoca o consumidor a escolher o combustível verde. “É muito importante mostrar ao consumidor as vantagens do , se trata de um combustível que é produzido aqui, gera emprego de qualidade e está à frente de qualquer outro no aspecto ambiental e de saúde pública”, disse o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho.

Em MS, o setor sucroenergético é uma das principais atividades agroindustriais e responde pelo segundo maior valor de produção na indústria R$ 6,3 bilhões (2018). O setor também se destaca na geração de emprego sendo responsável por mais de 30 mil ocupações diretas no interior do Estado. No Brasil, o número chega a 700 mil empregos diretos.

 

Consumo aumenta, mas ainda não compensa trocar gasolina por etanol em MS
Mais notícias