Com R$ 3,8 milhões empenhados, MS recebe apenas reforço humano para combater incêndios no Pantanal

34 militares do Paraná devem seguir para combate enquanto recurso não é liberado

recebeu reforço de 34 militares do Corpo de Bombeiros do Paraná, que atuarão no combate às chamas no Pantanal. O apoio vem primeiro que o recurso de R$ 3,8 milhões depositado pelo Governo Federal, mas ainda não disponível para as ações de combate as queimadas em todo o Estado. O valor deve ser liberado pelo Governo Federal ainda esta semana para a conta da Defesa Civil, mas ainda sem previsão, enquanto as chamas já consumiram mais de 1,1 milhão de hectares no Estado.

O secretário da Semagro (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Jaime Verruk destacou que já foi feito um primeiro plano de trabalho, para traçar as ações de reforços. Segundo ele, a chegada dos militares do Paraná em Campo Grande foi um dos pedidos do Estado de MS, que também buscou apoio ao Governo de Santa Catarina – para mais bombeiros -, e helicóptero ao Governo de .

Para o Pantanal, a necessidade é de mais militares dos bombeiros. “Também precisamos de avião agrícola”, destacou  Verruk. “É importante destacar que não só o Pantanal receberá reforço. Temos por exemplo Alcinópolis, Três Lagoas, Campo Grande e Ponta Porã, que também receberão reforços nas ações por conta da situação crítica com as queimadas”, completou.

Um exemplo é o Parque Estadual das Nascentes do Taquari, em Alcinópolis, que enfrenta situação crítica e já teve 50% de sua área consumida pelo fogo. “Lá hoje estão 200 homens e três aviões atuando no combate as chamas. Conseguimos conter em Alcinópolis e agora atuamos em Costa Rica, que também foi atingida”, destacou o secretário. Com o recurso, o local receberá apoio de caminhões pipa.

Ainda, segundo o secretário, com o recurso será realizada a locação de máquinas. “Está em um segundo plano de trabalho, a locação de máquinas, que é extremamente importante para abrir determinadas áreas para segurar o fogo”, explicou.

Outra ação eficaz de combate, é um retardante misturado na água. “Estávamos com receio de usar, por conta desse produto deixar resíduos no ambiente, mas recebemos um laudo de Poconé, que já usou o retardante e foi verificado que ele não agride o ambiente. Por isso, também estamos adquirindo esse retardante para ajudar no combate ao fogo”, finalizou.

Recurso de R$ 3,8 milhões

Nesta terça-feira (15), recebeu R$ 3,8 milhões do Governo Federal para ampliar as ações de combate aos incêndios florestais que atingem os biomas Pantanal, Cerrado e Mata Atlântica. Os recursos foram liberados pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, em agenda com o governador Reinaldo Azambuja, em Campo Grande.

“O dinheiro será utilizado em contratação de horas de voo e na compra de combustíveis e equipamentos que vão dar aos brigadistas condições de enfrentar os incêndios que acometem o Estado”, explicou o ministro. A destinação do recurso consta em plano de operações aprovado pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil.

Com o apoio financeiro, o trabalho de combate às chamas que já vinha sendo realizado há mais de 90 dias no Pantanal será estendido para os biomas da Mata Atlântica e do Cerrado, em especial no Parque Estadual das Nascentes do Taquari, no município de Alcinópolis, que enfrenta situação crítica e já teve 50% de sua área consumida pelo fogo.

A força-tarefa de combate ao fogo é monitorada pelo Imasul (Instituto do Meio Ambiente de ). No Pantanal, o trabalho de combate às chamas é feito por 230 homens – entre brigadistas do /Prevfogo e militares do Corpo de Bombeiros ( e do Paraná), além de militares da Marinha.

Já no Cerrado, na região do Parque Estadual das Nascentes do Taquari, são 140 homens entre militares do Corpo de Bombeiros e do Exército Brasileiro.

Outros 500 brigadistas voluntários estão apagando fogo em todo o Estado, informou a ministra da Agricultura, . Ela acompanhou o ato de liberação de recursos e informou que o ministério contabiliza as perdas registradas pelos produtores de florestas plantadas em . “Estamos levantando isso para ver como podemos ajudar”, disse.

Emergência ambiental

entrou em estado de emergência ambiental na segunda-feira (14) por causa do fogo que já consumiu mais de 1.450.000 hectares de florestas. Com a situação reconhecida pela União, o Estado deve receber mais recursos federais nos próximos dias.

De 1º de janeiro a 13 de setembro deste ano, o fogo já consumiu mais de 1,1 milhão de hectares no Pantanal sul-mato-grossense e mais de 1,7 milhão em Mato Grosso.

Com R$ 3,8 milhões empenhados, MS recebe apenas reforço humano para combater incêndios no Pantanal
Mais notícias