Com entrega de 110 casas no Bom Retiro, Campo Grande vence pela 3° vez prêmio nacional de habitação

Programa desenvolvido pela Amhasf venceu premiação na categoria de assistência a vulnerabilidade de famílias carentes.

Com 110 casas entregues no Bom Retiro, em Campo Grande, a (Agência Municipal de Habitação e Assuntos Fundiários) venceu prêmio nacional de responsabilidade habitacional na assistência de famílias vulneráveis, na sexta-feira (10).

O Programa Ação Casa Pronta, que capacitou e abrigou famílias, é destaque nacional pelo terceiro ano consecutivo. Foi desenvolvido em parceria com a Funsat (Fundação Social do Trabalho) e Governo de Mato Grosso do Sul. O município ganhou a premiação na categoria de assistência técnica, considerado uma das mais importantes na área responsabilidade habitacional.

Neste ano, o Prêmio Selo de Mérito recebeu 16 projetos para concorrer nas categorias. Além disso, o Estado foi destaque com projetos de autoconstrução de casas em aldeias indígenas, pela (Agência de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul), escolhido como referência em relevância social e urbana.

Nos últimos quatro anos, foram entregues 622 unidades habitacionais em Campo Grande, sendo 260 no Residencial Rui Pimentel, 260 no e 90 no Bom Retiro, todas retomadas a partir de 2017. Desde 2012, o Município não investia na construção de novas unidades habitacionais.

“É uma emoção muito grande para mim, meu sonho e do meu marido foi realizado. Nunca na minha vida eu imaginei que construiria minha própria casa e agora tudo de uma construção eu sei fazer, pronta para o mercado de trabalho”, conta a moradora Luzia Vicente da Silva.

Já são 1.490 casas estão em construção no Aero Rancho, Sírio Libanês, Jardim Inápolis, Portal das Laranjeiras, Jardim Mato Grosso e Residencial Armando Tibana.

Famílias carentes foram removidas da antiga favela Cidade de Deus e transferidas para os bairros Bom Retiro, Vespasiano Martins, e José Teruel.

“Antes a gente morava em barraco de lona, onde pingava muito dentro, era um problema até com vento, um sofrimento, mas agora nós estamos muito felizes e agradecidos de ter uma casa para morar com a minha família”, disse Wesley de oliveira.

Cerca de 420 famílias estão inadimplentes, com débitos de até R$ 70 mil em parcelas vencidas há anos. Os moradores não podiam renegociar as parcelas atrasadas, pois a legislação antiga não previa Refis para este empreendimento. Com a atual proposta, a quitação total das parcelas atrasadas podem ter desconto de 100% sobre o valor dos juros e multa contratual;

*Material atualizado com correções de informações às 16h30.

Com entrega de 110 casas no Bom Retiro, Campo Grande vence pela 3° vez prêmio nacional de habitação
Mais notícias