Com aulas transmitidas pela TV, estudantes precisam abraçar rotina e ‘desligar’ do celular

Confira recomendações de especialistas para que a rotina escolar seja retomada de forma eficiente

O anúncio de que as aulas da REE (Rede Estadual de Ensino) terão transmissão televisionada traz preocupações sobre o ambiente onde as atividades escolares serão desempenhadas. Diferente das escolas, onde além do espaço pedagógico e rotinas, há monitoramento dos professores, as residências possuem muitas distrações.

Com isso, a necessidade de se reproduzir o ambiente escolar e minimizar as interferências ocasionadas numa casa, como barulhos, fluxo de pessoas e até mesmo uso de aparelhos eletrônicos como computadores e, principalmente, aparelhos de celular.

Para a psicopedagoga Glaucia Benini, a iniciativa de transmitir as aulas pela tv é ótima. Além de ter o apoio das ferramentas virtuais, elas mantêm o vínculo entre os alunos e as matérias. Benini reforça, porém, que o rendimento dos estudantes será melhor se assistir aulas televisionadas estiverem associadas a uma rotina de estudos.

“É importante ele manter uma rotina de estudo no mesmo horário em que ele era acostumado. Se ele estudava à tarde, as aulas devem ser assistidas à tarde. Se pela manhã, as aulas serão pela manhã. Isso ajuda a manter o foco e a concentração”, comenta. Segundo ela, até mesmo colocar o uniforme escolar reforça que a necessidade de disciplina em cumprir a rotina.

O professor e pedagogo Carlos dos Santos também reforça a necessidade de se criar a rotina, mas entende que os obstáculos são muitos. “O uso do celular, o barulho da cozinha, outros irmãos ou membros da família se movimentando… São questões que dificultam a concentração de quem estiver assistindo às aulas. Por isso, todos precisam colaborar naquela casa”, acrescenta. Os especialistas prepararam recomendações para que o rendimento das teleaulas seja o melhor possível. Confira:

Mantenha a rotina

É fundamental que os alunos tenham uma rotina de estudos, tanto no horário das aulas como no contraturno, quando as atividades devem ser revisadas. Dessa forma, toda a família precisa colaborar para fazer o menor número de interferências nos estudos, como diminuir movimentação no ambiente da TV, bem como evitar fazer barulhos e demais distrações.

Longe do celular

Com aulas transmitidas pela TV, estudantes precisam abraçar rotina e ‘desligar’ do celular
Foto ilustrativa | Secretaria de Educação de SP

Os gadgets eletrônicos, como celulares, tablets, computadores, notebooks e quaisquer outros dispositivos interativos que possam oferecer distrações, precisam ficar à distância dos estudantes durante as aulas. Pais e responsáveis precisam reforçar que, naquele horário, a prioridade é o estudo.

Vista o uniforme

O uso do uniforme escolar durante a transmissão das aulas é uma maneira de aumentar o foco e de reforçar que é o momento de estudos, tal qual como ocorria nas escolas. Desta forma, o uso é incentivado, associado às demais recomendações.

Material escolar à mão

Diferente dos celulares, cadernos, livros, canetas, lapiseiras e demais acessórios educativos devem ficar próximos dos estudantes, que precisam fazer as anotações da mesma maneira que fariam nas escolas, presencialmente.

Revisar

Os especialistas sugerem que pais e responsáveis “tomem nota” do que o aluno aprendeu após a aula, como forma de verificar se o rendimento em relação ao que foi apresentado nas teleaulas foi absorvido. A repetição, no caso, proporciona assimilação do conteúdo e também serve de termômetro para saber se a aula teve bom aproveitamento.

Pós-aula

No contraturno, quando o estudante não estiver em aula, os exercícios precisam ser realizados e o conteúdo revisto, numa segunda revisão, de forma que as matérias não fiquem acumuladas. Funciona da mesma maneira de antes, com as atividades de casa, mesmo que agora, nesse momento, toda a rotina seja domiciliar.

Aulas não presenciais

Com retorno nesta terça-feira (19), as aulas não-presenciais da REE, que seguem até o dia 30 de junho neste formado, agora contam com transmissão pela TV, conforme anúncio da SED (Secretaria de Estado de Educação de MS) na última segunda-feira (18). Foram investidos R$ 663 mil na contratação da emissora, para transmitir simultaneamente o conteúdo escolas para alunos da pré-escola, ensino fundamental e ensino médio.

Com aulas transmitidas pela TV, estudantes precisam abraçar rotina e ‘desligar’ do celular
Titular da SED durante transmissão ao vivo na segunda-feira | Foto: Reprodução | Facebook

Em transmissão ao vivo, a titular da pasta, Maria Cecilia Amendola da Motta, reforçou aos estudantes e professores as ferramentas utilizadas durante o período de suspensão das aulas escolares, porém, não detalhou sobre o funcionamento das transmissões pela TV: Motta ressaltou que estão aguardando apoio de professores voluntário para gravar atividades.

Conforme a secretária, os alunos serão avisados antecipadamente sobre a transmissão. A previsão é que inicialmente alguns conteúdos sejam reprisados na primeira fase do projeto para logo depois atender a séries específicas dos alunos. A emissora de TV contratada foi a Rede MS Integração de Rádio e Televisão.

“Ainda estamos organizando para entrar na TV aberta. Os alunos vão receber a grade, os horários, e a turma. Agora, estamos esperando voluntários para gravar os programas. Eles podem entrar em contato com a gente. Contratamos um emissora que atende quase o Estado inteiro, se fosse só em Campo Grande, a TVE (TV Educativa) seria suficiente, mas não é o caso. Ninguém se preparou para uma pandemia, mas estamos nos esforçamos muito para entregar educação aos nossos 220 mil estudantes”, disse durante a transmissão.

Segundo o superintendente de Informação e Tecnologia, Paulo Cezar Rodrigues, durante o período de adaptação, as aulas gravadas também serão disponibilizadas no canal do Youtube da SED para que os alunos possam assistir quando quiser.

Com aulas transmitidas pela TV, estudantes precisam abraçar rotina e ‘desligar’ do celular
Mais notícias