Cidade de MS é mais uma a confirmar 1º caso de Covid-19 e prefeita ‘dá bronca’ na população

Em vídeo transmitido por redes sociais, Marcela Lopes anunciou obrigatoriedade quanto ao uso de máscaras e novas medidas de restrição a aglomerações

A Prefeitura de Corguinho –a 72 km de Campo Grande– confirmou o primeiro caso do novo coronavírus (Covid-19) no município e o isolamento domiciliar preventivo de 11 pessoas, a fim de conter a circulação da doença entre seus 5,9 mil habitantes. A medida levou a administração municipal a dar um puxão de orelha nos moradores, cobrando responsabilidade no enfrentamento à pandemia.

Com a confirmação, Corguinho é a segunda cidade que nas últimas 24 horas entrou para as estatísticas de coronavírus –pela manhã, também foi anunciado um caso em Laguna Carapã.

Porém, embora o caso de Corguinho tenha sido anunciado pela Secretaria Municipal de Saúde no fim da tarde de terça-feira (2), ainda não consta nas estatísticas oficiais da SES (Secretaria de Estado de Saúde). Ainda assim, já levou a prefeita Marcela Ribeiro Lopes a baixar novas medidas, como a obrigatoriedade do uso de máscaras pela população e maior rigidez nas restrições para funcionamento dos setores de comércio e serviços.

Cobrança sobre a população de Corguinho

Até a tarde de terça, Corguinho tinha também 1 caso em investigação e outros 2 descartados. Em pronunciamento nas redes sociais, a prefeita afirmou que o surgimento do caso ocorreu mesmo diante da tomada de todas as medidas por parte da administração municipal. “Desde o início fizemos decretos, regulamentamos critérios para o comércio ficar aberto e muitas coisas não foram respeitadas. Orientamos o uso de máscaras e não aconteceu. Pedimos que as pessoas não saíssem de casa ou da cidade, que falassem com os parentes para que não viessem até aqui, e isso também não aconteceu. E esse é o resultado”, disparou Marcela, em pronunciamento divulgado pelas redes sociais.

“Que essa situação sirva de lição para todos e, a partir de agora, que todos nós mudemos nossa conduta”, prosseguiu. “O município precisa que você, da comunidade, proteja a cidade”. Titular da Saúde, Anderson Alves respondeu a cobranças em redes sociais sobre a demora em se confirmar o primeiro caso.

“A preocupação não era divulgar o caso em tempo real, e sim tomar medidas necessárias para o caso não se alastrar, e isso foi feito”, afirmou o secretário, segundo quem “já esperávamos que isso [primeiro caso confirmado] fosse ocorrer mais cedo ou mais tarde”. Desde a confirmação, prosseguiu ele, foram traçadas medidas de enfrentamento à doença e buscadas pessoas com as quais o primeiro paciente de coronavírus da cidade manteve contato –para que fossem todas colocadas em isolamento domiciliar. “Faltou consciência de alguém e o caso está aí. Mas não estamos aqui para julgar, não é o nosso papel. Vamos tentar controlar a situação da melhor forma”.

Novo decreto exige uso de máscaras

Já nesta quarta-feira, Marcela Lopes baixou novo decreto obrigando o uso de máscaras por toda a população. Além disso, a medida também reduz o fluxo de pessoas nos estabelecimentos comerciais, a fim de reduzir aglomerações, limitando a até 4 pessoas dentro de cada comércio, sendo apenas uma por família.

No caso dos salões de beleza, será atendido apenas um cliente por vez. Já os cultos e missas estão proibidos, sendo liberada apenas as celebrações virtuais, com transmissão online em redes sociais ou aplicativos de mensagens.

Os empresários ficarão responsáveis pelo fornecimento de sanitizantes (álcool em gel ou 70% ou, ainda, água e sabão em pias) para a higienização das mãos dos clientes.

“Tudo isso é para o comércio não parar e as pessoas não percam suas rendas”, afirmou Marcela, que ainda apontou que “infelizmente não podemos contar com a consciência de todo mundo. Se todos tivessem consciência, não estaríamos aqui dando essa triste notícia”. “Por todos nós, pelo município, por favor, ajudem a combater o coronavírus”.

Cidade de MS é mais uma a confirmar 1º caso de Covid-19 e prefeita ‘dá bronca’ na população
Mais notícias