Campo-grandenses poderão optar por tratamento com kits do Ministério da Saúde

Prefeito informou que prescrição ficará a cargo dos profissionais da saúde

Apesar de a (Secretaria de Estado de Saúde) ter descartado a adoção dos protocolos estabelecidos pelo Ministério da Saúde para o tratamento do novo coronavírus – que incluem o uso da ivermectina e da cloroquina (ou ) associada ao antibiótico azitromicina – campo-grandenses contaminados poderão decidir se querem ser tratados com esses medicamentos.

A informação foi dada pelo prefeito (), durante transmissão pelas redes sociais no início da tarde deste sábado (4). “O kit prevenção, agora indicado por alguns abnegados e voluntariosos estudiosos e acima de tudo responsáveis seguidores de Hipócrates, nós vamos utilizar aqui na nossa cidade sim”, afirmou.

Ele disse saber que não há consenso sobre os efeitos das medicações. “Eu também sei que não tem a comprovação científica de que ele pode ser eficaz o suficiente como esses médicos estão dizendo. Mas aí eu pergunto a você: tem comprovação científica que a máscara elimina o vírus? Também não tem, mas nós estamos usando sim porque já tem a unanimidade de que em 70% ela não transmite o vírus. Por isso, o kit prevenção nesse momento se faz necessário sim”, afirmou.

Segundo ele, a partir do momento em que for disponibilizado, ficará a critério do profissional de saúde prescrever e do paciente em querer aceitar ou não o kit prevenção. “O município não pode virar as costas. Não há como o prefeito não recebê-los” afirmou, dizendo que por mais que existam correntes contrárias, número muito grande afirma que o uso evita estágios da fase 1 e 2 do novo coronavírus.

Campo-grandenses poderão optar por tratamento com kits do Ministério da Saúde
Mais notícias