Campo Grande não tem sinais de estabilização de longo prazo de Covid-19, diz Fiocruz

Coordenador pede cautela em relação às ações de flexibilização

O boletim InfoGripe, divulgado semanalmente pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), aponta que Campo Grande não confirma sinal de estabilidade na tendência de longo prazo (seis semanas) de casos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) e de , retornando ao sinal de queda nesse indicador.

O coordenador do boletim, Marcelo Gomes, destacou para a Agência Brasil que, embora a tendência de curto prazo tenha mantido sinal de estabilização, ainda é preciso cautela em relação às ações de flexibilização na capital sul-mato-grossense.

“Como já relatado em boletins anteriores, identificamos diferença significativa entre as notificações de SRAG no estado do Mato Grosso do Sul registradas no sistema nacional Sivep-Gripe e os registros apresentados no sistema próprio do estado. Tal diferença se manteve até a presente atualização”, avalia Gomes.

Ainda conforme o InfoGripe, dez capitais brasileiras apresentam sinal de crescimento moderado, probabilidade maior que 75%, ou forte, probabilidade maior que 95% na tendência de longo prazo: Aracaju, Belém, Florianópolis, Fortaleza, João Pessoa, Macapá, Maceió, Salvador, São Luís e São Paulo.

De acordo com o boletim epidemiológico da SES (Secretaria de Estado de Saúde) deste sábado (31), Campo Grande alcançou 36.023 confirmações de .

 

 

Campo Grande não tem sinais de estabilização de longo prazo de Covid-19, diz Fiocruz
Mais notícias