Cadela morre e polícia resgata três cães infestados de carrapatos em Campo Grande

Enorme quantidade de carrapatos estavam presentes nos animais e na residência

Policiais da Decat (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais e de Atendimento ao Turista) e funcionários do CCZ (Centro de Controle de Zoonose) fizeram o resgate de três cadelas, entre elas uma da raça Pitbull, debilitadas e infestadas de carrapatos em uma casa abandonada na região da Vila Margarida nesta sexta-feira (14).

No local, ainda havia um quarto animal, mas este devido ao caso de maus-tratos e abandono, não resistiu e morreu. A denúncia teria partido de vizinhos que avistaram que os animais sozinhos em condições precárias por aproximadamente uma semana.

Em contato com a reportagem, o investigador Alexei Rocha, da Decat, explicou que os animais estavam sem água e alimento para sua sobrevivência. O que mantinha as outras três cadelas com vida era a ajuda de vizinhos que jogavam comida pelo muro da casa e cediam água.

Cadela da raça Pitbull estava infestada de carrapatos. (Foto: Divulgação, Decat)

O que chamou a atenção dos investigadores e também dos funcionários do CCZ era a enorme quantidade de carrapatos existentes tantos nos animais quanto no entorno da residência. Em uma foto encaminhada a reportagem, mas que não será divulgada pela condição do animal, a orelha do cadela da raça Pitbull estava infestada e coberta pelos aracnídeos ectoparasitas.

O mato também era um aliado aos maus-tratos e abandono, segundo Alexei, já que era visível que estava na altura do joelho. O terreno era cercado e havia fezes espalhadas por todo o canto.

As três cadelas resgatadas foram levadas pelo CCZ para dar início ao tratamento. O investigador Alexei ainda espera uma definição para saber quem é o proprietário ou se o imóvel era alugado.

“Nós vamos investigar e achar essa pessoa que vai responder pelo crime de maus-tratos e vai responder pelo artigo 32, da lei 9.605 que é maus tratos”, explicou Rocha. Vale destacar que a lei impõe detenção, de três meses a um ano, e multa.

Mais notícias