Arara fica mais de 4h presa por linha de pipa, sensibiliza moradores e mobiliza resgate

Moradores até tentaram, mas ninguém conseguiu alcançar a ave, que estava em uma árvore alta

O resgate de uma arara-canindé presa por uma linha de pipa em árvore nesta terça-feira (14) mobilizou Bombeiros, biólogos e moradores no Parque do Lageado, em Campo Grande. Ela ficou pendurada por mais de quatro horas e sensibilizou a vizinhança, que acompanhou ansiosa pela soltura do animal.

Arara fica mais de 4h presa por linha de pipa, sensibiliza moradores e mobiliza resgate
Moradores acompanharam resgate. (Foto: Marcos Ermínio)

Foi o morador Edson dos Santos quem acompanhou a saga da arara para se desvencilhar os fios que a mantiveram enroscada na árvore por horas. Ele conta que os moradores tentaram, mas ninguém conseguiu alcança-la, já que a árvore era alta demais. Além da vizinhança, três araras também estavam ao redor, quando acompanhavam o resgate da ‘parceira’ do grupo de perto.

Edson explica que muitas crianças soltam pipa no bairro, ainda mais em janeiro, quando todas estão de férias. Ele chamou o Corpo de Bombeiros, que recebeu a chamada em caráter de urgência, já que a arara estava presa há horas.

Para garantir a segurança da ‘bichinha’, os Bombeiros preferiram cortar o galho, leva-lo ao chão e só assim soltar a arara-canindé. Caso tentassem soltá-la na árvore, ela ficaria agitada e poderia até cair. O resgate durou sete minutos e foi considerado um sucesso. Confira:

A bióloga do Instituto Arara Azul, Larissa Tinoco, também acompanhou o resgate de perto após ser chamada pelos moradores do bairro. Ela ressalta que a ação dos Bombeiros foi fundamental, já que a árvore era muito alta. Mesmo pendurada por horas, a arara saiu praticamente ilesa: sem lesão nas asas. Só algumas penas foram danificadas, mas a arara poderá voar normalmente.

Depois de desenroscar a arara da linha de pipa, os biólogos levaram o animal para uma outra árvore, para que pudesse descansar depois de tanto desespero e estresse. “Por ser uma arara juvenil, temos que deixá-la em um lugar alto porque ela ainda está aprendendo a voar”.

Após ser solta em outra árvore, a arara preferiu ficar parada para descansar. “Ela cansou muito por ficar pendurada. Ela precisa descansar na árvore, que é um lugar alto, seguro e longe de riscos de ataque de outros animais, como cachorro”, conta a bióloga.

Arara fica mais de 4h presa por linha de pipa, sensibiliza moradores e mobiliza resgate
Bombeiros resgataram ave em poucos minutos. (Foto: Marcos Ermínio)

A especialista ressalta que é muito comum que as pessoas encontrem araras no chão. Larissa afirma que isso se deve à época do ano, quando as araras juvenis saem dos ninhos para aprender a voar.

“Quando as encontram no chão, acham que estão machucadas, mas elas só estão aprendendo a voar. Alguns ligam para a PMA (Polícia Militar Ambiental) ou levam para o CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), mas não há necessidade”, diz. Larissa frisa que é comum que as araras andem torto ou de forma desengonçada, já que elas ainda são jovens e estão aprendendo.

Um sinal de que a arara realmente está machucada é quando ela mal consegue se mexer ou quando está se arrastando, devido a asas ou garras quebradas. Se for o caso, o Instituto disponibiliza o telefone para contato: 67 3322-1205.

Arara fica mais de 4h presa por linha de pipa, sensibiliza moradores e mobiliza resgate