Após reclamações, administradora da rodoviária de Campo Grande diz que segue protocolos

Barreira sanitária teria adoção de apenas quatro meses na entrada do terminal.

A concessionária responsável pelo Terminal Rodoviário de Campo Grande ressaltou que permanece cumprindo as regras de biossegurança para evitar transmissão da , o novo coronavírus, no local. A barreira sanitária instalada teria validade apenas de quatro meses, encerrando em outubro.

Em nota, a assessoria de imprensa da Socicam informou que, seguindo o protocolo de biossegurança desenvolvido e expedido pela Semadur (Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Gestão Urbana), a barreira sanitária permaneceu pelo prazo estabelecido de quatro meses.

“A concessionária mantém as atividades que visam a contenção do novo coronavírus nas áreas internas do empreendimento, inclusive com a permanência da Campanha Embarque Seguro, implantada no mês de maio deste ano. A campanha conta com a intensificação nos procedimentos de higienização e desinfecção de todo o empreendimento; com atenção especial às superfícies manipuláveis, como corrimãos, botões de elevadores, alças de carrinhos de bagagens e balcão de informações”, disse.

A equipe do Jornal Midiamax esteve no local e não encontrou fiscalização, assim como a falta de marcação nas cadeiras que permite o distanciamento e a aferição de temperatura de quem entra ou desembarca no terminal.

Porém, a empresa diz que continua com a sinalização fixa no chão para alertar sobre o distanciamento entre os passageiros, assentos isolados, avisos sonoros e escritos sobre as medidas de biossegurança.

Após reclamações, administradora da rodoviária de Campo Grande diz que segue protocolos
Mais notícias