Após 11 anos parada, indústria retoma atividades com geração de 300 empregos em MS

Indústria esmagadora de soja vai processar 450 mil toneladas do grão por ano e gerar faturamento próximo de R$ 1 bilhão

Após 11 anos parada, uma indústria em Caarapó, a 273 quilômetros de Campo Grande, irá retomar as atividades no município, com potencial de geração de 300 empregos diretos. A indústria esmagadora de soja vai processar 450 mil toneladas do grão por ano e gerar faturamento próximo de R$ 1 bilhão.

Localizada próximo à BR-163, em uma área de 30 hectares, a esmagadora de soja possui estruturas de recepção de grãos em cidades que até pouco tempo atrás não tinham aptidão para a agricultura, como Bandeirantes e Bela Vista. As atividades devem começar no próximo mês.

O novo complexo industrial da Lar Cooperativa Agroindustrial tem capacidade de processar 1,5 mil toneladas de soja por dia. Também é capaz de produzir 300 toneladas de biodiesel a cada 24 horas.Toda a estrutura da indústria ficou parada por 11 anos, até que foi comprada e revitalizada pela Lar em 2019.

“Quando você expande para novas áreas de agricultura, aumenta a produção e já cria uma rede de armazenagem – que é o que essa cooperativa fez – você industrializa esse produto em Mato Grosso do Sul com opção de biodiesel, óleo e farelo. Essa é a lógica definida na cadeia produtiva”, explicou o secretário Jaime Verruck (, Desenvolvimento Econômico, Produção e Familiar).

A instalação da indústria foi viabilizada pelo Governo de MS, com apoio do município, também R$ 219 milhões de investimento privado.

Cooperativismo

A instalação do novo empreendimento da Lar em Caarapó, dentro do Programa Estadual de Desenvolvimento e Fortalecimento do Cooperativismo em Mato Grosso do Sul (Procoop), contribui para o desenvolvimento da atividade que em 2017 foi responsável por 10% do Estadual.

Hoje, a Lar é considerada uma das principais cooperativas do Paraná. O grupo está há mais de 20 anos no Estado, tem 17 locais de operações e possui 37 armazéns. “Seguramente, temos uma das maiores capacidade estática de recebimento e armazenagem de grãos em MS”, destacou o diretor-presidente Irineo Rodrigues.

Após 11 anos parada, indústria retoma atividades com geração de 300 empregos em MS
Mais notícias