Cotidiano

Administrações de shoppings devem cobrar lojistas sobre ações contra o coronavírus

As administrações dos 4 shoppings de Campo Grande devem fiscalizar se seus lojistas estão seguindo os decretos municipais de contenção do novo coronavírus (Covid-19). O aviso partiu da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana) na tarde desta terça-feira (12), horas depois de, durante live pela manhã, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) admitir […]

Humberto Marques Publicado em 12/05/2020, às 17h37

Unidades mantém funcionamento. (Foto: Leonardo França)
Unidades mantém funcionamento. (Foto: Leonardo França) - Unidades mantém funcionamento. (Foto: Leonardo França)

As administrações dos 4 shoppings de Campo Grande devem fiscalizar se seus lojistas estão seguindo os decretos municipais de contenção do novo coronavírus (Covid-19). O aviso partiu da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana) na tarde desta terça-feira (12), horas depois de, durante live pela manhã, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) admitir que pode decretar o novo fechamento dos centros comerciais caso não sejam seguidas as regras de biossegurança.

“Estamos apertando os shoppings porque está havendo sim uma flexibilização e ausência de fiscalização por parte deles. Não queremos tomar medidas rigorosas como o fechamento, mas podemos tomá-las sim, caso os gestores não cumpram as regras acordadas de biossegurança. Evitem que penalidades mais rigorosas sejam colocadas em prática”, declarou Marquinhos.

Os shoppings tiveram o fechamento decretado no início da pandemia, sendo autorizados a reabrir e meados de abril, desde que seguissem orientações como limitação de clientes a 40% da capacidade, controle de temperatura de visitantes a fim de barrar pessoas com febre e higienização. Apesar disso, filas e movimentação intensa nos locais, sobretudo nos finais de semana, foram constantemente relatadas.

Segundo o titular da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana), Luiz Eduardo Costa, “boa parte dos shoppings cumprem as regras de biossegurança”, contudo, denúncias pontuais sobre determinados lojistas ainda ocorrem. “Chega até nós a denúncia específica e ela é apurada pela fiscalização. Isso não vale apenas para os shoppings”, prosseguiu.

Via assessoria, centros comerciais responderam às afirmações. O Shopping Bosque dos Ipês relatou que cumpre todos os requisitos de biossegurança, inclusive funcionando em horário reduzido (de segunda a domingo, das 12h às 20h). “Todos os lojistas estão sendo orientados a utilizar máscaras e nossa equipe interna (administrativo, segurança, funcionários da limpeza) está as utilizando o tempo todo”, destacou, em nota.

Da mesma forma, a assessoria do Shopping Campo Grande confirmou que o centro comercial “está atento às determinações do poder público”, sendo que a administração adotou “protocolo rigoroso de higienização e intensificou as medidas de prevenção à Covid-19”.

A fim de conscientizar seus lojistas, forma entregues cartilhas e repassadas discas de prevenção “visando a preservar a segurança de clientes, lojistas e colaboradores”.

A direção do Pátio Central, por seu turno, informou à reportagem que busca sempre cumprir tanto o plano de biossegurança como a legislação municipal. “Está sendo realizada rigorosa fiscalização dos lojistas e orientação dos colaboradores para cumprimento de todas as medidas”, destacou.

Ainda conforme o Pátio Central, em caso de irregularidades, os lojistas são orientados e notificados por escrito e, caso não se adequem, “multamos ou suspendemos o funcionamento da loja”. A medida mais radical, até o momento, não foi tomada diante da adesão dos estabelecimentos comerciais às exigências.

A reportagem não conseguiu contatar a assessoria do Shopping Norte-Sul para comentar os fatos.

Jornal Midiamax