ACP critica decreto que transforma escola em centro de educação profissional

Com a mudança, escola não pode mais eleger o diretor

A ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública) publicou uma nota nesta sexta-feira (28) que critica a decisão do Governo de transformar a Escola Hércules Maymone em um Centro Estadual de Educação Profissional. Segundo o sindicato, não é apenas uma mudança no nome, mas altera a autonomia da escola.

O decreto foi publicado no dia 13 de fevereiro, quando a Escola Estadual Hércules Maymone se transformou em Centro Estadual de Educação Profissional Hércules Maymone. Com a mudança, a escola não terá eleição para diretores escolares, que acontece nas demais unidades na terça-feira (3).

“A mudança não se trata apenas de nomenclatura. Ao transformar a escola em centro de educação profissional, a SED (Secretaria de Estado de Educação) acaba com a gestão democrática, passando a indicar os/as diretores/as”, disse em nota.

O sindicato ainda afirma que o Governo usou de um artifício ‘sorrateiro’ para minar a autonomia e a democracia das unidades escolares. “Abre-se espaço para o autoritarismo e, consequentemente, diminui-se a qualidade do ensino, sob pena de sacrificar a cidadania e o livre exercício do magistério”.

Eleição de diretores

A eleição dos dirigentes escolares será realizada na terça (3), com início às 8 horas e término às 21 horas. A eleição será realizada com cédulas de papel, sendo que cada pessoa pode indicar uma chapa ou candidato individual.

O resultado da eleição estará disponível no SAE (Sistema de Apuração de Eleições) da SED na quarta-feira (4). A Comissão Estadual divulgará oficialmente o resultado das eleições na quinta (5). O mandato dos Dirigentes Escolares começa no dia 23 de março, com a posse e assinatura do Termo de Compromisso e encerra no dia 31 de dezembro de 2023.

ACP critica decreto que transforma escola em centro de educação profissional
Mais notícias