Cotidiano

Sesau estuda qual grupo será vacinado contra o coronavírus em Campo Grande

A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) de Campo Grande ainda está estudando qual público prioritário deve receber a primeira remessa de vacina contra o coronavírus, que ainda não tem data prevista para chegar ao município. Depois do Governo do Estado informar interesse de compra de 700 mil doses, a prefeitura estimou que deve adquirir 200 […]

Karina Campos Publicado em 09/12/2020, às 16h33 - Atualizado em 10/12/2020, às 09h54

(Foto: Ilustrativa /arquivo | Midiamax)
(Foto: Ilustrativa /arquivo | Midiamax) - (Foto: Ilustrativa /arquivo | Midiamax)

A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) de Campo Grande ainda está estudando qual público prioritário deve receber a primeira remessa de vacina contra o coronavírus, que ainda não tem data prevista para chegar ao município. Depois do Governo do Estado informar interesse de compra de 700 mil doses, a prefeitura estimou que deve adquirir 200 mil doses da vacina. 

De acordo com a prefeitura, já foi estabelecido o interesse na aquisição das doses da Coronavac, vacina de origem chinesa adquirida pelo Governo de São Paulo. Devido à falta de expectativas de datas do Instituto Butantan, que deve fabricar a vacina no Brasil, ainda não há previsão da chegada ou data final da compra das doses.

“Levando em consideração a quantidade a serem disponibilizadas pelo laboratório para aquisição, não há como estimar uma data para que a vacina chegue, tampouco quando se dará início a imunização no município”, reforçou em nota.

O Governo do Estado também sinalizou que deve comprar as vacinas com ou sem parceria do Ministério da Saúde. De acordo com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), mesmo sem esperar uma “paternidade” da vacina, deve adquirir o montante de 700 mil doses para imunizar o grupo prioritário.

O Estado já classificou o grupo prioritário, para idosos acima de 70 anos, índios e profissionais da saúde e educação do Estado.

Aumento de internados

número de novos casos tem aumentado a cada dia e nesta quarta-feira (9) chegou ao pico de 1.314 novos registros em apenas 24 horas. Com cada vez mais infectados, o número de internados também sobe e a taxa de ocupação de leitos na macrorregião de Campo Grande chega a 105%. Em menos de um mês, o número de internados quase triplicou em MS.

Dados apresentados pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) mostram que o Estado tem 615 pacientes internados. Destes 375 estão em leitos clínicos (219 públicos e 156 privados) e 240 em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), dos quais 160 estão em leitos públicos e 80 em privados.

A secretária adjunta de Saúde, Christinne Maymone comenta que o número praticamente triplicou em menos de um mês em MS. No dia 11 de novembro, havia 206 pacientes internados no Estado. Nesta quarta-feira (9), o número chega a 615 internados, um aumento de 198,5%.

Jornal Midiamax