Principais alvos do coronavírus em MS, diabéticos aumentam procura por especialistas

Endocrinologista de Campo Grande diz que pacientes diabéticos são maioria no consultório

Dos 16 óbitos registrados até o momento em MS por causa do novo coronavírus, nove conviviam com diabetes. A doença não facilita a contaminação, mas aumenta o risco de quadro clínico grave, com a taxa de letalidade maior, conforme a SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes). Por causa da incidência, os pacientes que tratam o diabetes trataram de procurar um especialista para tirar as dúvidas sobre o vírus e procura por endocrinologistas em MS cresceu.

De acordo com a médica endocrinologista Lara Rúbio, os pacientes que atende em seu consultório estão ansiosos e preocupados com a doença e a procura por consultas justamente para esclarecimentos quase dobrou no último mês.

“A maioria dos pacientes está preocupada com a pandemia e a doença propriamente dita, mas também pelas incertezas em relação ao futuro. Muitos têm medo de se infectarem e realizam todas as precauções. A procura geralmente é para esclarecer as dúvidas e melhorar seu controle glicêmico, com objetivo de minimizar riscos de complicações”, explicou a médica ao Jornal Midiamax.

Principais alvos do coronavírus em MS, diabéticos aumentam procura por especialistas

A endocrinologista reforçou que quem tem diabetes não possui maior risco de se contaminar pelo coronavírus, mas há maior risco de complicações pela infecção, como problemas pulmonares, insuficiência respiratória aguda, necessidade de ventilação artificial e óbito.

“A baixa imunidade está ligada à elevação do açúcar no sangue, não à falta de produção de insulina. A pessoa com diabetes que está muito acima do peso, também pode ter a imunidade afetada por ter maior inflamação”. disse Lara.

Com o novo óbito registrado neste domingo (17) pela doença, a estatística de vítimas diabéticas cresceu. Isso porque uma moradora de Brasilândia, de 70 anos, tinha a comorbidade. A especialista alerta que as mortes podem crescer ainda mais por causa do relaxamento do isolamento social.

“Em geral, [as vítimas] são diabéticos de longa data, com alguma outra comorbidade, como hipertensão arterial, obesidade ou cardiopatia, e que estão com as glicemias elevadas. Infelizmente é uma doença de alta prevalência, ainda subdiagnosticada, pouco compreendida pela população e com pouco ou nenhum sintoma”, finalizou a médica.

Diabetes controlado e prevenção do contágio

A principal medida, nesses casos, além de se proteger do contágio por coronavírus, é manter o diabetes controlado. Com isso, o risco de complicações do Covid-19 diminui e fica quase igual ao de uma pessoa não diabética.

Ainda segundo a SBD, as pessoas com diabetes com nível de açúcar descontrolado no sangue ou aquelas com longo histórico de mau controle metabólico, que tenham complicações a mais, ou que tenham outra doença junto com o diabete – doença concomitantes – especialmente idosos, o risco de agravamento de coronavírus quando contraído por ser maior.

642 casos até o momento

O boletim divulgado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde) nesta terça-feira (19) aponta que Mato Grosso do Sul totalizou, às 10h desta manhã, 642 casos confirmados de Covid-19, o novo coronavírus. De acordo com o secretário Geraldo Resende, são 29 positivos a mais nas últimas 24h.

A secretária-adjunta de Saúde Christinne Maymone relatou que são 5051 casos notificados, dos quais 4311 foram descartados após testagem e 21 excluídos por não apresentarem sintomas do novo coronavírus. Há, além dos 642 casos confirmados, 77 casos estão sob investigação e MS já soma 16 mortes.

Dos 29 casos novos confirmados, 9 são de Três Lagoas, 7dest de Campo Grande, 3 de Dourados, 2 de Bonito, 2 de Corumbá, 2 de Jardim e um em cada uma das cidades de Bodoquena, Brasilândia, Deodápolis e Douradina.

Principais alvos do coronavírus em MS, diabéticos aumentam procura por especialistas
Mais notícias