VÍDEO: Elevador quebra e Bombeiros transportam corpos nas escadas do HRMS

Segundo relatos, pacientes que precisam de tratamento em outros andares também precisam subir de escada

Familiares de pacientes que vieram a óbito na tarde deste domingo (8) no CTI (Centro de Terapia Intensiva) do HRMS (Hospital Regional Maria Aparecida Pedrossian) enfrentam uma via crucis para a liberação dos corpos. Isso porque os elevadores que faz o transporte de pacientes apresentaram problemas, o que impede a liberação dos corpos.

Pacientes que vieram a óbito são transportados pelas escadas pelo Corpo de Bombeiros | Foto: Fala Povo | WhatsApp

O problema é que pacientes na ala vermelha ou que aguardam vagas no CTI também não podem ser reacomodados. No caso dos óbitos, o Corpo de Bombeiros estaria fazendo o transporte dos corpos pela escada. Relatos obtidos pela reportagem apontam que os elevadores já apresentariam defeito há pelo menos dez dias.

A situação é vista por familiares dos pacientes como absurda. “É falta de manutenção. Outros familiares avisaram a gente que há vários dias esses elevadores estão com problemas, que teve até paciente que ficou preso porque a maca prendeu na porta. E agora a gente perde alguém querido e não consegue seguir em frente, porque o corpo não pode ser liberado”, relatou membro da família de uma idosa que faleceu por volta do meio dia deste domingo. A reportagem optou por não identificá-los.

Elevador enguiçado não está no andar corretamente. Uma maca está presa no interior do equipamento | Foto: Fala Povo | WhatsApp

“Confirmaram pra gente que o corpo vai descer pelas escadas. Um elevador funciona, mas meia boca, e tem muita gente ficando presa, então pararam de usar. Os demais, tem uma que abre apenas em alguns andares. E o que levaria pacientes é pior, porque ou não funciona, ou abre apenas uma das portas internas, não passa a maca”, comenta o homem.

Também há relatos de pacientes que precisam de tratamento em alas que ficam em outros andares também estão submetendo-se a subirem as escadas. “Meu filho precisou subir quatro lances de escada, porque a maca não passava pela porta. Teve outra situação de um paciente que estava no CTI e que precisou ser levado para outra ala, mas a porta [do elevador] também não abriu e ele ficou preso.

A situação retratada pelo vídeo abaixo é semelhante. O paciente estava no CTI e precisou ser removido para o PAM (Pronto Atendimento), mas a porta do elevador teria travado a maca, impossibilitando o transporte. Funcionários foram obrigados a arranjar uma maca menor para fazer o resgate.

Paciente cardiopata precisou subir vários lances de escada para receber tratamento Foto: Fala Povo | WhatsApp

Se não funcionar a pessoa tem que subir de escada. Ele está no sétimo andar. Além disso a comida é só ovo. Todos os dias. Ovo com arroz, feijão preto e repolho. Eu tive sorte, consegui usar o elevador, mas tão subindo de escada, mesmo”, disse a mãe de outro paciente internado no 7º andar.

Procurada pela reportagem, a assessoria emitiu nota na qual informou que o problema é pontual e que ocorreu devido à antiguidade dos elevadores. “Mesmo com esta condição, os equipamentos passam por manutenção periodicamente”, traz a nota.

A assessoria também alegou que estuda maneiras de realizar as reformas necessárias. “Entretanto, a parceria com o corpo de bombeiros se deu, solucionando a questão. empresa terceirizada responsável pela manutenção dos elevadores do HRMS encontra-se na Instituição desde a última sexta feira para solucionar com o máximo de urgência o problema”, conclui a nota. (Colaborou Renata Fontoura).

Indicativo de greve

O HRMS vive atualmente cenário de caos, devido a frequente falta de medicamentos e de insumos e sobrecarga de profissionais. Em função desta realidade, no final de novembro, o Coren-MS (Conselho Regional de Enfermagem) notificou o HRMS e preparou um processo de interdição ética do Hospital e afirmou que a situação no local é de ‘calamidade e ilegalidade’.

Devido a mesma situação, funcionários do HRMS também anunciaram indicativo de greve para esta terça-feira (10), após deliberação em assembleia da categoria no Sintss-MS (Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social). A greve, porém, só terá início depois da decisão, que será tomada em reunião às 7h do dia 10.

A convocação foi definida durante a última assembleia e serviu para expor os problemas do hospital que vão de falta de pessoal, insumos e mantimentos para a refeição distribuída em marmitas.

Mais notícias