Shopping das Moreninhas aguarda remoção de famílias para iniciar obras, diz Prefeitura

Criação de novo acesso à região poderá ser realizada posteriormente pela Prefeitura

O início das obras do shopping Plaza Moreninha, do grupo paulista Ícone Costa Hirota, depende agora apenas da remoção de algumas famílias em ocupação irregular, segundo informou ao Jornal Midiamax nesta segunda-feira (23) o titular da Segov (Secretaria de Governo e Relações Institucionais) Antônio Lacerda.

Segundo o secretário, reunião realizada no último dia 12 de setembro, na Prefeitura, contou com várias pastas da administração municipal, além dos investidores. No encontro, ficou acertado que a construção de uma nova via de acesso às Moreninhas – que era o principal empecilho para o início das obras e que depende da Prefeitura – poderia ser realizada posteriormente.

Reunião contou com o primeiro escalão da Prefeitura e definiu que construção de via de acesso à região poderá ser feita posteriormente | Foto: Divulgação | Segov

“O empreendimento não depende da via, está na dependência apenas da desocupação de algumas poucas famílias que se encontram numa área pública e que afeta o empreendimento, o que será providenciado pela PGM (Procuradoria Geral do Município) e pela Emha (Agência Municipal de Habitação). Após isso, o empreendimento iniciará os trabalhos de terraplenagem do local”, apontou Lacerda.

Na ocupação em questão havia cerca de 60 famílias, mas a maior parte já foi removida para o Residencial José Maksoud, inaugurado em 2014 na Moreninha IV. Atualmente, estima-se que apenas seis famílias permaneçam no local.

De acordo com a Emha, a pasta está realizando levantamento de informações, “haja vista que parte dessas famílias já foram beneficiadas durante o PAC II, com unidades habitacionais no residencial José Maksoud e outras com lotes de regularização fundiária no Bairro Moreninhas, entretanto, não desocuparam a área”. Ainda segundo a pasta, os processos serão encaminhados à PGM para adotar as medidas jurídicas cabíveis.

O shopping deve ficar pronto em até 24 meses após o início das obras e deve gerar, após sua construção, mais de 3 mil empregos diretos. O Plaza Moreninha será construído em área de cerca de 73 mil m², na Rua Ipamerim, nas Moreninhas II, ao lado do Banco do Brasil. O projeto apresentado em 2017 prevê 124 lojas, sendo duas âncoras, praça de alimentação, um supermercado e cerca de 770 vagas de estacionamento. O investimento é estimado em cerca de R$ 100 milhões.

GDU e via de acesso

O Jornal Midiamax antecipou há cerca de um mês que o grupo ícone Costa Hirota havia solicitado a renovação da GDU (Guia de Diretrizes Urbanas) junto à Prefeitura de Campo Grande – o documento é necessário para alvará de construção de grandes empreendimentos e traz diagnóstico de melhorias necessárias também no entorno da obra.

A propósito, teria sido justamente devido à esta GDU que a empresa encontrou dificuldade para tocar o projeto. Segundo o guia, a construção de uma segunda via de acesso à região seria necessária, a fim de evitar congestionamentos, promover fluidez e facilidade de acesso ao empreendimento.

Todavia, na reunião da última semana, essa exigência teria sido flexibilizada. Lacerda não informou se a via será providenciada posteriormente à construção do shopping, mas a Prefeitura de Campo Grande já chegou a submeter ao CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina) uma carta-consulta para a construção do novo acesso.

Inicialmente, a expectativa é que o novo acesso às Moreninhas, quando houver, seja providenciado a partir de um prolongamento da Avenida Rita Vieira, cruzando a Avenida Guaicurus até alcançar as Moreninhas.

* Matéria alterada às 10h27 para acréscimo de informações