Salineiro diz que Consórcio Guaicurus não corresponde à isenção do ISS

Empresa que explora o transporte público de Campo Grande recebe benefício para não aumentar passagem

Para o vereador André Salineiro (PSDB), o Consórcio Guaicurus, empresa que explora o transporte público de Campo Grande, não tem “correspondido” ao incentivo que recebe da Prefeitura de Campo Grande com a isenção do ISS (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza).

“A gente sabe os problemas que tem, o consórcio também sabe, e a prefeitura também sabe. Por que não cobra? O que resta ao vereador é cobrar, a gente não pode fazer mais nada. O consórcio não corresponde a esse incentivo que dá [ISS]. A prefeitura tem que cobrar de uma forma dura porque temos um monopólio no transporte coletivo e isso não é saudável”, declarou o vereador durante a sessão desta terça-feira (11).

Na visão do parlamentar, a administração municipal deveria fazer uma “cobrança mais acirrada” para que o Consórcio entregasse um serviço de melhor qualidade. “Acho que poderia estar tendo uma fiscalização e uma cobrança mais acirrada em cima do Consórcio Guaicurus. Acho que a Agereg tem que fazer essa fiscalização acirrada. A gente tem o monopólio de uma empresa que faz o que quer. Quem usa fica refém”.

Restrição aplicativos de transporte

De acordo com Salineiro, o projeto de lei encaminhado pelo Executivo Municipal a Câmara para legalizar o serviço de aplicativos de transporte em Campo Grande é inconstitucional. Na opinião do parlamentar, o texto restringe o trabalho dos motoristas que atuam nas plataformas.

“Está restringindo pelas obrigações impostas, e isso STF [Supremo Tribunal Federal] já falou que é inconstitucional, e ele tem que ser amparado na normativa federal, que é a Lei 13.640 de 2018, que já regulamentou esses aplicativos; e disse que o município não pode criar mais regras do que já tem, e está se criando”, disse Salineiro.

Ainda conforme o vereador, esse projeto poderia ser benéfico justamente para o Consórcio Guaicurus, que tem perdido passageiros depois que os aplicativos chegaram na Capital. “Aí a gente tem que colocar uma pergunta no ar: a quem interessa restringir os aplicativos de mobilidade urbana? Volto a dizer, ele na minha opinião encontra-se inconstitucional”.

Isenção ISS

A isenção do ISS começou a ser concedida na gestão do ex-prefeito Alcides Bernal (PP) e acabou sendo feita novamente pelo atual prefeito Marquinhos Trad (PSD), que alegou que se cobrar o imposto, a empresa irá repassar o valor para a passagem, deixando ela ainda mais cara.

No ano passado os vereadores aprovaram em fevereiro o projeto que previa isenção de ISS por 12 meses para o Consórcio Guaicurus. De acordo com o projeto encaminhado pelo município, a isenção seria integralmente repassada ao preço da tarifa, “devendo ser comprovada pela planilha de estruturação tarifária autorizada pela Agereg (Agência de regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande)”.

Mais notícias