Retirada de pontos de ônibus cobertos revolta passageiros em Campo Grande

Pontos nas avenidas Florestal e Presidente Vargas foram retirados e substituídos pelo poste de sinalização da Agetran

A retirada de pontos de ônibus cobertos nas avenidas Florestal e Presidente Vargas tem intrigado os usuários do transporte coletivo em Campo Grande. Diversos pontos foram retirados na última semana e substituídos pelos postes laranjas, uma troca nada justa para os passageiros.

Para quem presenciou a troca, não fazia sentido retirar os pontos, que estavam em bom estado de conservação. O professor Breidyson Santos conta que um dos pontos foi retirado na avenida Florestal ainda nesta quinta-feira (9). Ele conta que até perguntou para os funcionários da Prefeitura de Campo Grande, que responderam que pontos novos seriam colocados no lugar.

“Eles tiraram rapidinho, não levou nem 20 minutos. Eu só não entendo o porquê, o ponto estava bom. Os vizinhos já reclamaram porque ninguém sabe quando os novos serão instalados”, relata.

O pedreiro Vicente Vargas ficou revoltado com a troca do ponto pelo poste laranja. Ele conta que os ônibus demoram a passar na avenida Florestal e que os pontos cobertos eram uma maneira de oferecer um mínimo de conforto para quem pega o ônibus.

“Estão retirando tudo e colocaram esse poste laranja sendo que o ponto estava ótimo. Isso é ruim porque as pessoas precisam de um lugar para se abrigar da chuva ou do sol. O ponto ainda tinha um banco, para as pessoas esperarem sentadas pelo ônibus que demora tanto”, diz.

A jornalista Sarah Santos também reparou a retirada dos pontos e levantou a discussão em um post nas redes sociais. “Queria saber se os gestores da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), que decidiram por tirar a cobertura dos pontos de ônibus da Coophatrabalho, nunca precisaram pegar ônibus para trabalhar em dia de muito sol ou de chuva. Ou, se não possuem familiares idosos, ou com deficiência, ou até mesmo crianças, que dependem do transporte público”, questiona.

Na avenida Presidente Vargas, outros pontos cobertos foram retirados. Assim como os outros moradores, o vendedor Carlos Guimarães também não entendeu o motivo da mudança. Entretanto, ele diz que ainda não ouviu muitas reclamações de passageiros, já que o ponto de ônibus não era tão utilizado.

No início do ano, a Prefeitura chegou a anunciar a instalação de 500 novos pontos, com investimento de R$ 2,1 milhões. O que os moradores estranharam foi a retirada de pontos cobertos que estavam em bom estado de conservação. O Jornal Midiamax entrou em contato com a Prefeitura de Campo Grande na sexta-feira (09) e aguarda retorno.

 

Piso tátil em ponto na avenida Presidente Vargas chamou a atenção. (Foto: Henrique Arakaki)

Piso tátil em árvore

Leitor flagrou o erro na construção do ponto. (Foto: Leitor/WhatsApp Midiamax)

Em alguns locais, pontos de ônibus novos foram instalados, entretanto, o que chamou a atenção foi o erro na instalação de um deles. Próximo ao cemitério Santo Amaro, a instalação do piso tátil em direção a uma árvore intrigou os moradores.

Apesar do erro, o defeito foi consertado nesta semana. A comerciante Maria da Gama trabalha ao lado do ponto de ônibus e explica que ele foi instalado há cerca de dois meses. “Foi ontem que eles apareceram e resolveram consertar esse piso tátil”, conta.