Reforma começa em agosto e deve dobrar capacidade de Aeroporto de Campo Grande

Obra tem prazo de 18 meses e conta com recursos de quase R$ 40 milhões

A Infraero assina a ordem de serviço para reforma, ampliação de modernização do Aeroporto de Campo Grande nesta quinta-feira (18) e as obras devem começar em um mês. Com o custo de R$ 39,9 milhões, a reforma pode dobrar a capacidade do Aeroporto e trazer mais passageiros a Capital.

O presidente da Infraero, o tenente-brigadeiro do ar Hélio Paes de Barros Júnior, afirma que a obra pode ser entregue até o fim do ano que vem. O processo pode trazer alguns transtornos aos passageiros, mas isto já está previsto. Segundo ele, a reforma vai dobrar a capacidade do aeroporto e trazer mais oportunidades, não só para voos, como para a cadeia produtiva no estado.

“Hoje trabalhamos com 2 milhões a 2,5 milhões de passageiros [por ano] e vamos chegar à casa de R$ 5 milhões”, diz. O presidente da Infraero adianta que a estrutura será modificada na parte interna e externa do aeroporto. A climatização do terminal será modernizada, assim como os sanitários. Além disso, o terminal contará com projetos de sustentabilidade através do reaproveitamento da água da chuva e do sistema de climatização.

Secretário de aviação diz que aeroporto tem localização estratégica. (Foto: Renata Volpe/Midiamax)

O Secretário Nacional de Aviação, Ronei Glanzmann, afirma que o Aeroporto de Campo Grande é estratégico e é preciso ampliar o terminal de passageiros. Segundo ele, a Capital se destaca por estar próxima ao Uruguai, Chile, Argentina e Paraguai.

“Agora o Brasil vai trabalhar fortemente para atrair novas companhias aéreas. Recentemente, tivemos abertura de capital estrangeiro, essas empresas vão chegar ao longo de 2019 e 2020”, explica.

Para o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), a reforma começa em um bom momento, logo após o decreto do programa Decola MS e a abertura de capital para empresas aéreas internacionais no Brasil. “Vamos poder construir uma malha de integração regional que possibilita novas oportunidades. Quando tem competitividade, reduz o preço da passagem”, aposta.

Mais notícias