Recuperação de lago do Parque das Nações começa em junho e custará R$ 8 milhões

Conforme a Prefeitura, se as condições climáticas forem favoráveis, expectativa é concluir a obra em 3 meses

O desassoreamento do lago do Parque das Nações Indígenas custará cerca R$ 8 milhões, conforme a Prefeitura e o Governo do Estado, que firmaram parceria para realizar a obra de recuperação. O início está previsto para a segunda quinzena de junho.

A verba será usada na construção de um piscinão no Córrego Reveillon, que fica entre as avenidas Mato Grosso e Hiroshima; obras de controle de erosão e recomposição das margens do Córrego Joaquim Português, e a implantação de uma comporta de regulação do nível do lago, após a conclusão do desassoreamento.

Escavadeiras hidráulicas serão utilizadas para remover cerca de 140 mil metros cúbicos de areia. Conforme a Prefeitura, se as condições climáticas ajudarem, a expectativa é de concluir a obra em três meses.

Para evitar outro assoreamento serão executados dois projetos nos córregos Reveillon e Manoel Português, cujas as águas formam o lago. No réveillon, a Prefeitura implantará um piscinão, inicialmente projetado para o armazenamento de 22 mil metros cúbicos de água. No Manoel Português, o Governo irá executar obras de controle de erosão e replantio de vegetação nas margens.

Segundo o secretário de infraestrutura e serviços públicos, Rudi Fiorense, os lagos terão também um papel importante no controle de enchentes de afluentes do Córrego Prosa, que em dias de chuva forte, transbordam nas imediações do Shopping Campo Grande. Eles terão capacidade para armazenar 65 mil metros cúbicos de água, que conforme a Prefeitura, equivale a três vezes a capacidade do piscinão que será construído na Avenida Mato Grosso.

Mais notícias