Presa, assassina confessa de idosa é sorteada pela Agehab e pode ganhar apartamento

Pâmela Ortiz é acusada de assassinar idosa com pancadas na cabeça e ocultar cadáver

Desde que foi divulgada, a lista de sorteados para residenciais da Agehab (Agência de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul) tem dado o que falar. Além de pessoas sorteadas duas vezes, uma nova denúncia aponta que uma detenta acusada de homicídio foi contemplada em um dos empreendimentos. Pâmela Ortiz de Carvalho figurou os noticiários em fevereiro deste ano, quando teria matado uma idosa com pancadas na cabeça.

Pâmela foi sorteada como reserva no Residencial Aero Rancho VII, da Agehab. De acordo com a lista, a detenta corresponde ao Grupo I, ou seja, ela atende de quatro a seis critérios nacionais e estaduais de prioridade. Um dos filhos da acusada tem deficiência intelectual.

Foto: Reprodução

Neste caso, dúvida que fica é como ela poderia ter atualizado seu cadastro na agência se estava presa desde o dia 25 de fevereiro. A Agehab explica que foram considerados habilitados para o sorteio pessoas com o cadastro atualizado em até dois anos.

De acordo com a Agência de Habitação, a candidata mantém seus direitos civis preservados, pois está presa provisoriamente. Ela só perde o direito quando a sentença condenatória for transitada e julgada. A Agehab ressalta, ainda, que os candidatos sorteados devem passar pela análise documental para comprovar as informações do cadastro. No caso de Pâmela, ela só deve apresentar os documentos se passar a configurar como principal no sorteio.

O sorteio da Agehab foi realizado na Escola Joaquim Murtinho na manhã do último sábado (29) em Campo Grande. O sorteio também foi transmitido ao vivo nas redes sociais, com a justificativa de dar mais transparência ao processo.

Assassinato de idosa

Pâmela Ortiz é acusada da morte da idosa de 79 anos, Dirce Santoro Guimarães Lima, que foi assassinada no dia 23 de fevereiro deste ano. A idosa foi morta com pancadas na cabeça, que foi batida contra um meio-fio. O rosto da vítima ficou desfigurado.

Dirce desapareceu depois de entrar no carro Renault Sandero de Pâmela. As duas teriam se conhecido em novembro de 2018. A suspeita confessou o crime e disse que houve uma discussão dentro do veículo entre ela e a idosa, e que Dirce havia pulado do carro em movimento, mas o que a polícia descarta.

Segundo informações da polícia, a vítima teria se queixado com vizinhas que desde que conheceu Pâmela compras que não era dela estavam sendo feitas em seu cartão de crédito. O corpo de Dirce foi encontrado atrás de uma fábrica de peças íntimas, em Indubrasil. Ele estava jogado em um amontoado de lixo. Vale lembrar que Pâmela tem antecedentes criminais por estelionato, peculato e ameaça. São duas passagens em Terenos e cinco em Campo Grande.

(Colaborou Thatiana Melo)

Mais notícias