Preço de materiais escolares tem variação de até 914% em Campo Grande

Itens simples, como minidicionário, apontador e lapiseira, têm diferença gritante no valor

No mês de janeiro, é comum que as papelarias fiquem cheias de pais à procura dos materiais escolares para as crianças. Cadernos, lápis, papel, mochila… a lista é extensa, mas é importante que os consumidores fiquem atentos na hora da compra. A diferença de preço entre os produtos de uma loja para outra chega a 914,49%.

Os dados são de pesquisa feita pelo Procon Estadual (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) entre os dias 2 e 8 de janeiro. O órgão percorreu 11 lojas da Capital para conferir os preços de itens básicos das listas de materiais solicitados pelas escolas. Além disso, é importante ficar atento ao que as escolas podem pedir aos pais.

Na pesquisa, a maior variação encontrada foi em um minidicionário, que foi encontrado por R$ 2,76 em uma papelaria da rua 14 de Julho. Enquanto isso, em estabelecimentos localizados na rua Dom Aquino e na avenida Bandeirantes, o produto era vendido por R$ 28, uma diferença de 914,49%.

Outro item com uma grande diferença de preços foi um esquadro, que foi vendido por R$ 0,46 em um local e por R$ 4,50 em outro. A pesquisa mostra que vale a pena pesquisar mesmo os itens mais simples. Itens como apontador de plástico e lapiseira apresentaram variação de 660% e 491,74%.

“Como a variação apontada foi muito alta, comparar os preços é fundamental para o consumidor conseguir economizar trazendo economia para esse momento tão difícil e de tantas despesas que é o início do ano”, afirma o superintendente do Procon Estadual, Marcelo Salomão.

Neste ano, a equipe do Procon Estadual pesquisou 249 itens de material escolar em 11 estabelecimentos comerciais especializados. Segundo o Procon, foi registrado aumento de 8,26% no preço do material escolar em relação ao ano passado. Em 2019, o preço médio dos produtos pesquisados ficou em R$ 9,30. Em 2018, havia sido de R$ 8,59.

Os locais visitados pela equipe do Procon Estadual foram Papelaria Franco, Livromat, Livraria Moderna, Microart, Shop Tudo, Suprimac e Zornimat localizadas na área central da Capital e livrarias Lê, Lusa, São Paulo e Cometa situadas em bairros diversos de Campo Grande. De acordo com os dados do Procon, o estabelecimento com o maior número de itens entre os mais baratos foi a Zornimat, localizada na rua 14 de Julho. Enquanto isso, a Lusa, na avenida Bom Pastor foi a loja com o maior número de itens entre os mais caros da cidade.

Quer saber mais? Confira a pesquisa.

Mais notícias