Para auxiliar na construção, programa disponibiliza subsídio de até R$ 15 mil

Credihabita contempla donos de terrenos e imóveis quitados de até 70m²

Destinado àqueles que possuem terreno, mas por algum motivo não conseguem obter financiamento para compra de materiais de construção e de assistência técnica, a Prefeitura de Campo Grande lançou no mês de outubro o programa Credihabita. Pessoas que tenham imóveis quitados com metragem de até 70 metros quadrados também podem solicitar o benefício para reforma e ampliação de suas moradias.

O convênio para implementação do programa foi assinado no dia 16 de outubro pela Emha (Agência Municipal de Habitação), CAU-MS (Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso do Sul) e o Sindarg-MS (Sindicato dos Arquitetos de Mato Grosso do Sul), e é instituído de acordo com a Lei Complementar n° 6.123 de 9 de novembro de 2018.

A modalidade terá parcela mínima de R$ 94,50 – 10% do salário mínimo – e o prazo de pagamento será de até 160 meses. Segundo a Emha, o primeiro subsidio no valor de R$ 1 milhão deve ser disponibilizado em dezembro de 2019 e em 2020, o subsídio pode aumentar para até 3 milhões sendo este recurso totalmente oriundo da Agência Municipal de Habitação.

Para o beneficiário, segundo a Emha, o subsidio disponível será de R$ 15 mil para construção, R$ 10 mil para reforma e R$ 10 mil para a ampliação da moradia, bem como valores para contratação de engenheiros e arquitetos urbanistas, devidamente cadastrados nos conselhos de suas respectivas classes, que também poderão ter seus serviços pagos com o Credihabita, sendo R$ 1.500 para construção, reforma e ampliação e R$ 2 mil reais para regularização edilícia.

Como se inscrever?

Para se inscrever no Credihabita os interessados podem ir pessoalmente na sede da Emha localizada na rua Íria Loureiro Viana, 415 – Vila Oriente, ou realizar o cadastro através do site da Agência. 

os requisitos são ter renda familiar de até 5 salários mínimos, morar em Campo Grande há pelo menos 2 anos, ser dono do imóvel quitado e devidamente escriturado, localizado no perímetro urbano da Capital, com área construída de até 70 m², ser maior de 18 anos ou emancipado e ser habilitado na análise de crédito, realizada pela Agência Municipal de Habitação.

 

Mais notícias