No combate aos incêndios, MS receberá ajuda de 34 militares dos bombeiros do DF

Outras seis viaturas e uma aeronave também serão enviadas ao Pantanal

Tentando combater de todas as formas os incêndios que atingem a região do Pantanal, o Estado de Mato Grosso do Sul receberá a partir desta quinta-feira (19), uma ajuda de 34 militares do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal para amenizar a situação. Além do material humano, estarão sendo enviadas mais seis viaturas dos bombeiros e uma aeronave.

A informação foi divulgada pelo MDR (Ministério do Desenvolvimento Regional) e a ação de apoio é uma parceria firmada entre a Sedec (Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil) e o Governo do Estado do Distrito Federal.

A equipe do Corpo de Bombeiros deve deixar a capital federal na manhã desta quinta, por volta das 7h. Eles estarão acompanhados do secretário nacional de Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, e do comandante geral do CBMDF (Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal), Carlos Emilson Ferreira dos Santos que estarão concentrados na Academia de Bombeiros Militar do Distrito Federal.

A ajuda dos militares se somará aos outros 258 militares do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul que estão no trabalho de contenção das chamas em várias regiões, principalmente as mais afetadas. Uma escala foi feita para aumentar o número de equipes, já que antes, apenas 200 militares estavam atuando.

Queimadas em MS

Devido ao tempo seco e a crescente nas queimadas nas regiões do Pantanal, o Governo do Estado declarou situação de emergência em pelo menos nove municípios mais afetados pelas queimadas em vegetação. Os municípios ficam em situação de emergência por seis meses e o Governo autoriza a mobilização de todos os órgãos estaduais para atuarem, sob a coordenação do Cedec (Coordenadoria Estadual de Defesa Civil), nas ações de resposta ao desastre, reabilitação do cenário e reconstrução.

A estimativa é de que mais 1 milhão de hectares de vegetação foram destruídas pelas queimadas no Estado entre os meses de agosto e setembro, onde o índice de calor foi mais forte.

Mais notícias