Negociação salarial não avança e motoristas de ônibus anunciam paralisação para sexta

Ônibus não devem sair das garagens entre as 4h30 e 6h30

Após serem frustrados com a negociação salarial, motoristas de ônibus devem fazer uma breve paralisação na sexta-feira (6) em Campo Grande. Segundo os trabalhadores, a paralisação está programada para acontecer por duas horas, entre as 4h30 às 6h30, quando os ônibus não sairão das garagens.

“Não queremos prejudicar a população, mas queremos chamar a atenção dos empresários”, diz um dos motoristas. Os trabalhadores afirmam que a paralisação por duas horas está dentro da lei e que motoristas de todas as garagens do Consórcio Guaicurus devem participar, totalizando cerca de 800 funcionários.

Os trabalhadores estão organizados em grupos, de forma independente de sindicatos. Os motoristas não concordam com o STTCU (Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Coletivo Urbano de Campo Grande) e acusam o sindicato de estar alinhado com os interesses dos empresários. O Jornal Midiamax entrou em contato com o STTCU por telefone, mas não obteve resposta.

Além da paralisação, os motoristas ainda planejam uma passeata no sábado (7) para reivindicar o aumento salarial em 13% e aumento no valor do ticket alimentação. “Cansamos de reuniões secretas entre o sindicato e o Consórcio Guaicurus. Nós queremos participar das decisões, pois afetam diretamente nosso trabalho”, afirmou o motorista da Viação Campo Grande, Thiago da Silva.

Negociação frustrada

Os motoristas de ônibus se manifestaram depois que o STTCU e o Consórcio Guaicurus não compareceram para negociação salarial. Cerca de 40 motoristas se reuniram em frente ao Sest Senat, endereço marcado para a negociação. Os motoristas reclamam que não têm voz na negociação salarial. Segundo eles, o sindicato está mais ao lado do Consórcio do que dos trabalhadores. Uma prova disso seria a ausência do sindicato na manifestação.

Após reunião frustrada, os motoristas foram até o sindicato. Houve protesto, manifestação, tentativa do sindicato de retirar a imprensa do local e ameaça de paralisação. Ao notarem a presença da equipe de reportagem do Jornal Midiamax, membros do sindicato teriam se alterado, gritando e pedindo que saísse. O grupo de motoristas que foi até o local argumentou e exigiu que a jornalista permanecesse no local. Como a reunião foi cancelada nesta manhã sem aviso, eles afirmam que foram ao sindicato atrás das respostas.

O presidente do sindicato, Demétrio Ferreira de Freitas, afirmou que a negociação ainda não foi encerrada. “Não concordamos com a saída da participação dos lucros. Era para ter reunião hoje, mas o consórcio [Guaicurus] cancelou por causa da entrega dos ônibus”, afirmou, dizendo ainda não haver motivo para tal manifestação dos motoristas.

Mais notícias