Após pressão contra protesto na Assembleia, servidores do HRMS cobram reunião com Reinaldo

Segundo categoria, as conversas com o secretário de saúde não têm sido produtivas

Depois que servidores do (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) denunciaram pressão para não comparecerem à manifestação na Assembleia Legislativa, o presidente do sindicato da categoria usou a tribuna para pedir apoio aos deputados. Os servidores pedem ajuda para que possam se reunir com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e discutir a realidade do hospital.

O presidente do Sintess-MS (Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social de Mato Grosso do Sul), Ricardo Bueno, explica que a categoria precisa discutir diretamente com o governador. Segundo ele, as conversas com o secretário da SES (Secretaria de Estado de Saúde), Geraldo Resende, não têm sido produtivas.

“O diálogo com o secretário tem sido dificultoso. Espero que os deputados abracem a ideia e a gente consiga conversar com o governador. Precisamos discutir os números [referentes aos gastos no hospital]”, diz.

Bueno conta que o hospital passa por uma série de dificuldades referentes aos materiais. Segundo ele, faltam medicamentos e insumos, o que dificulta o trabalho do servidor. Com isso, muitas vezes o funcionário do hospital é que é visto como ‘culpado’. “Isto está expondo o servidor, o servidor está ali de frente sendo agredido pela população”.

Bueno ainda criticou a possibilidade de terceirização do Hospital Regional. Ele citou como exemplo o HR de Ponta Porã, que é administrado por OSs (Organizações Sociais). Na semana passada, o secretário Geraldo Resende comentou que havia possibilidade de o HRMS ser uma PPP (Parceria Publico-Privada) ou OS (Organização Social). Resende ainda frisou que nenhum hospital do país que tenha administração direta do Estado, União ou Município, tem um bom exemplo para dar.

Após pressão contra protesto na Assembleia, servidores do HRMS cobram reunião com Reinaldo
Mais notícias