Incêndios no Pantanal deixam moradores sem água, energia elétrica e internet

Incêndios desligaram linhas de transmissão de energia elétrica, causando oscilações

Os incêndios que voltaram a atingir a região do Pantanal há pelo menos quatro dias têm causado problemas também na área urbana, nas cidades de Corumbá e Ladário. Os moradores têm enfrentado transtornos, como a queda de energia, a falta de água e de internet.

Os picos de energia elétrica afetaram o abastecimento de água nas cidades, conforme anúncio feito pela concessionária Sanesul. A empresa explica que as redes de abastecimento de água de Corumbá e Ladário são alimentadas pela energia elétrica. Com a interrupção no sistema de energia, o fornecimento de água também fica prejudicado. “Sem energia elétrica, nossas operações são interrompidas automaticamente”.

Já a Energisa, concessionária de energia elétrica, explica que a oscilação ocorrida na região do Pantanal foi causada pelos incêndios, que afetaram a linha de transmissão, que é de responsabilidade de outra empresa.

“As queimadas provocam o desligamento dessas linhas e consequentes variações de tensão na rede elétrica que atende Corumbá, Aquidauana e Miranda. Cabe destacar que a Energisa não tem responsabilidade sobre tais eventos porque atua apenas na distribuição da energia aos clientes do estado”, informa.

Outro problema é que Corumbá está sem serviço de internet em algumas operadoras, como a Oi. Em nota, a operadora disse que o incêndio causou o rompimento do cabo de fibra ótica que atende os dois municípios pantaneiros, desta vez em três pontos diferentes, afetando parcialmente os serviços de internet fixa.

“Os técnicos da companhia estão trabalhando para restabelecer os serviços no menor prazo possível, sempre obedecendo as recomendações de segurança estabelecidas pelo Corpo de Bombeiros. A Oi informa, ainda, que os serviços de telefonia fixa e móvel não foram afetados”.

50 mil hectares consumidos pelo fogo

O número de focos de incêndio na região do Pantanal chegou a 74, conforme apontou o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) na última terça-feira (29), sobretudo em Corumbá, Miranda e Aquidauana. Pelo menos 50 mil hectares de vegetação nativa foram queimadas desde o domingo (27), segundo estimativa da Cedec (Coordenadoria Estadual de Defesa Civil).

O fogo, nesse momento, atinge áreas particulares, a partir do km 600 da BR-262 (30 km no sentido Oeste de Miranda), nos dois extremos da rodovia, chegando próximo a Porto Morrinho (ponte rodoviária sobre o Rio Paraguai) e abrangendo a Estrada-Parque (MS-184), na região de atrativos turísticos conhecida como Passo do Lontra. O fogo forma uma linha de área queimada que chega a 50 km, algo jamais visto pelos antigos pantaneiros e ribeirinhos.

Mais notícias