Publicidade

Inaugurada há 8 anos, Avenida Lúdio Martins não tem nenhuma linha de ônibus

Linha que ligasse avenida ao centro é sonho dos moradores

Em meio a briga judicial imposta pelo Consórcio Guaicurus, que pede indenização de R$ 76,5 milhões a Prefeitura Municipal alegando prejuízo financeiro, mesmo tendo lucro líquido de R$ 12 milhões por ano, a empresa se nega a atender as regras de concessão e ‘insiste’ em não oferecer melhorias no transporte público a população. Um exemplo do descaso é a Avenida Lúdio Martins Coelho que, mesmo depois de 8 anos de sua inauguração, não tem nenhuma linha de ônibus.

Avenida Lúdio Martins liga as outras principais avenidas: Duque de Caxias e Afonso Pena | Foto: Leonardo de França/Jornal Midiamax

A “avenida nova”, como ainda é conhecida, se tornou uma das vias de escape preferida dos motoristas que moram no União, Oliveira, Bom Jardim, Buriti, São Conrado, Santa Emília e Caiobá. Mesmo depois de se tornar uma das principais avenidas da Capital, a Lúdio Martins, que tem uma extensão de 5 km, nunca foi notada pelo Consórcio Guaicurus.

Os moradores que moram na região afirmam que sentem falta de uma linha que ligasse ao menos a avenida ao centro da cidade. Moradora do Bairro Oliveira há 20 anos, Jemina Dionízio, de 46 anos, conta que a inauguração da avenida foi um grande benefício para os moradores, mas que os investimentos na infraestrutura da região não deveriam parar por aí.

“Eu moro aqui há 20 anos e achei muito bom essa avenida aqui. Quando cheguei tinha só um córrego aqui e casinhas que formavam uma favela. De certa forma, melhorou bastante, mas em questão de transporte público deixa a desejar. Aqui a gente tem que andar umas boas quadras para pegar o ônibus que vai para o Terminal Bandeirantes. Seria uma boa se tivesse uma linha na avenida”, disse a moradora, comentando que, o bairro, passam duas linhas que vão direto para o terminal.

Dona Maria diz que prefere nem sair mais de casa, pois diz que transporte público na região deixa a desejar | Foto: Leonardo de França

Os ônibus do bairro que vão direto para o terminal ajudam os moradores, mas a distância dos pontos de ônibus e a ‘função’ do trajeto acaba desanimando sair de casa. Maria Dionízio, de 79 anos, disse a reportagem que sempre andou de ônibus, tem até o passe de gratuidade, mas como o ônibus passa tão longe de casa, ela prefere nem passear ou resolver qualquer coisa no centro da cidade.

“Quando abriu a avenida nova aqui eu até pensei que teria mais pontos de ônibus e linhas novas, mas não teve nada. Passava uma linha de ônibus em frente de casa e tiraram. Se tivesse um ônibus que passasse aqui e fosse direto para o centro, seria bom”, comenta a aposentada que mora no Bairro Oliveira há 14 anos.

O estudante Jefferson Diogo, de 16 anos, mora no bairro Bonança, ao lado da avenida, diz que uma linha que ligasse a avenida direto ao centro seria ótimo para os moradores, pois agilizaria o dia-a-dia de quem precisa ir ‘à cidade’ com frequência. “Às vezes acontece de a gente estar atrasado ou precisa resolver algo lá no centro, aí tem que esperar os ônibus que vem do bairro e ainda vai para o terminal. Se tivesse um ônibus que passasse aqui, seria bom demais”, comentou.

Nova linha daria segurança a população

A importância de uma linha na Avenida Lúdio Martins Coelho também seria motivo de segurança dos moradores da região da Lagoa em Campo Grande. Como há diversas pessoas que saem dos bairros de manhã para trabalhar no centro e só retornam à noite, os pontos longe de casa acabam causando insegurança principalmente para jovens e mulheres.

Jemina e Jucelma diz que linha na avenida melhoraria vida dos moradores que precisam se deslocar até o centro | Foto: Leonardo de França

Jucelma Dionízio, de 34 anos, disse que roubos na região a noite é constante e às vítimas são sempre quem chega em casa tarde da noite e precisa andar muito para chegar em casa.

“Como não tem muita opção aqui, tem estudante que desce no ponto lá longe, no ônibus que vem do terminal, e precisa vim andando todas essas quadras aqui até chegar em casa. Se tem um ônibus que passasse na avenida, as mulheres e os estudantes poderiam descer mais perto de casa, sem contar que seria muito rápido”, disse.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do Consórcio Guaicurus e da Prefeitura, mas ambas não se posicionaram.

Mais notícias