HRMS fica sem ar condicionado e moscas ‘atormentam’ até pacientes entubados

Uma pane causou o problema e aparelhos voltarão a funcionar em 10 dias, disse SES

Dois meses após o surto de piolhos de pombo, o HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), agora enfrenta uma rotina sem ar condicionado em pleno o calorão em Campo Grande. Os pacientes entubados, estariam sendo ‘atormentado’ por moscas há pelo menos 20 dias.

Conforme uma denúncia, a falta de ar condicionado no PAM (Pronto Atendimento Médico) estaria causando mal-estar em funcionários e principalmente nos pacientes. Alguns funcionários teriam conversado com a gerência do hospital para solucionar o problema, mas até então, nada foi resolvido.

“Como está calor e precisa abrir a janela, as moscas entram nos leitos e até entram na boca de pacientes que estão entubados”, disse a fonte ao Jornal Midiamax.

Uma paciente, Letícia Ribeiro Andrade, de 23 anos, afirmou que está aguardando leito no corredor do hospital para uma cirurgia e que desde sexta-feira (13), quando chegou na unidade, os aparelhos não estavam mais funcionando.

Outra fonte informou que no setor do CETOHI (Centro de Tratamento de Oncologia Infantil), no 8° andar, está sem ar condicionado por conta das fezes dos pombos. Segundo a denúncia, os aparelhos no andar não estariam sendo ligados por conta da baixa imunidade da crianças daquele andar que estão com câncer.

“Está uma situação horrível para aquelas crianças e os familiares que as acompanham durante o tratamento e um tremendo descaso. Até mesmo para os profissionais que atuam nos cuidados das crianças esta complicado ficar naquele lugar abafado”, disse a reportagem

Manutenção em 10 dias

A SES (Secretaria Estadual de Saúde) confirmou o problema, informando que aconteceu uma pane elétrica. Os aparelhos voltarão a funcionar normalmente daqui 10 dias.

“Houve uma pane no aparelho de ar-condicionado do HRMS. O problema já foi diagnosticado.  O Hospital entrou com procedimento para execução de conserto dos aparelhos e a previsão é que no prazo de até dez dias estarão em pleno funcionamento”, informou SES a reportagem.

*matéria atualizada às 18h20 para acréscimo de informação

Mais notícias