Golpe do aplicativo? Clientes denunciam postos que prometem desconto nunca oferecido

Aplicativo não oferece atualmente os descontos prometidos, dizem consumidores

O aplicativo da Rede Ipiranga, o “Abastece Aí”, que em tese gera desconto para os consumidores na gasolina, está causando confusão na cabeça dos motoristas que alegam estarem sendo enganados pela matemática obscura ao final do abastecimento em Campo Grande. Mesmo com o prometido abatimento no preço, ao final muitos afirmam que acabaram tendo despesas maiores e pagando um preço além daquele que é anunciado.

A prática em questão entraria na questão da propaganda enganosa, como alerta o Procon-MS (Superintendência para Orientação Defesa do Consumidor). A ‘matemática’, como é chamada por alguns, estaria induzindo o consumidor ao erro.

A reportagem do Jornal Midiamax foi atrás e verificou que em pelo menos dois postos Ipiranga na Capital, os preços estão entre R$ 4,15 e R$ 4,19 na bomba, mas para o valor pago diretamente pelo aplicativo, teria um desconto de 5% e poderia ser encontrado por até R$ 3,89. No final do mês de maio, a Petrobras anunciou que o preço da gasolina teria redução de 4,4%, em média. Com isso, o preço do litro nas refinarias ficará em R$ 1,9543.

Um motorista de 44 anos mas que preferiu não se identificar explicou que já foi alvo destes “desvios” de preço anunciado pelo aplicativo. De acordo com o consumidor, “na maioria das vezes, o desconto não chega aos 5% anunciado, geralmente chega aos 2%, mas nunca chega ao anunciado”.

O motorista alega que não fez nada em relação as contas e que também preferiu não procurar ajuda do Procon-MS para manifestar descontentamento e denunciar a prática que ocorre nos aplicativos “Abastece Aí”.

Zeno Vieira, de 74 anos, aponta que usa o aplicativo desde o lançamento e que sempre tinha o desconto prometido. No entanto, percebeu que pouco tempo depois já não recebia os 5% prometidos, por mais que fosse fiel ao posto tentando receber o desconto.

“Era vantajoso [pagar pelo aplicativo], mas depois mudou o sistema e ficou complicado, sem desconto quase.”, disse o aposentado. Sem ver vantagem, passou a pagar à vista e também reclama dos preços atuais. “Não está barato, mas parou de subir. Eu penso que podia ser mais barata”.

Procon-MS

De acordo com o superintendente do Procon-MS, Marcelo Salomão, refere-se a uma publicidade enganosa e que poderia induzir o consumidor ao erro, por ver um anúncio e pagar um valor totalmente diferente. O superintendente afirmou que houve denúncias contra alguns postos e o órgão estaria nas ruas nesta semana para fiscalizar.

“O consumidor não pode ser tomado de surpresa de um preço pactuado antes da compra e após a compra ser surpreso por outro preço. Por mais que usem de artifício os aplicativos, é fundamental que o consumidor esteja ciente do preço exato. É fundamental a denúncia, porque essa forma de cobrança em aplicativo onde o consumidor é colocado em dúvida o preço, o código [do consumidor] proíbe essa prática”, afirmou.

“Se por ventura ficar configurado que o posto não informou corretamente o preço antes da compra e induzir o consumidor ao erro, o posto é autuado e pode sofrer uma multa que pode ser de R$ 5 a R$ 50 mil”, explicou o superintendente.

Ipiranga

A Ipiranga informou por meio de nota que se “atenta ao compromisso com seus consumidores e preza pela comunicação clara e transparente e disponibiliza materiais de publicidade que dão igual destaque aos valores de combustíveis”, fazendo menção aos preços anunciados em placas publicitárias com o preço real e o preço que seria pago por meio do aplicativo “Abastece Aí”.

“A empresa esclarece também que esses materiais de publicidade foram analisados por órgãos competentes e considerados de acordo com a legislação do Código de Defesa do Consumidor. A Ipiranga informa ainda que possui um Canal de Atendimento ao Cliente para dúvidas ou questionamentos”.

Mais notícias