Família pede doação de sangue para menino em tratamento contra câncer

Miguelzinho apresentou quadro de anemia após procedimento cirúrgico

A história do Miguel Otávio Vilela Santos, 3 anos – menino de Bandeirantes que está lutando contra o câncer  passou por uma nova fase. Após a denúncia de suposta negligência da secretaria de saúde do municipio onde ele mora com o pai, Orlando Rodrigues dos Santos, e o pedido de ajuda para a compra de fraldas e manter o tratamento, na última sexta-feira (14), ele passou por um procedimento cirúrgico no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) em Campo Grande, para a retirada do tumor e apresentou um quadro de anemia, por isso precisa de doações de sangue.

De acordo com o irmão do Miguelzinho, a cirurgia pegou a família de surpresa mais uma vez, já que eles acreditavam que o procedimento seria realizado apenas no final de 2019. Eles vieram para Campo Grande, no último dia 30, mas por conta da saúde do pequeno tiveram que adiar a cirurgia.

Orlando Júnior Ojeda Santos, contou ao Jornal Midiamax, que no momento da cirurgia a preocupação tomou conta da família. Após o procedimento, o médico informou que o tumor de 14 centímetros no rim de Miguel, não estaria cicatrizado e acabou envolvendo a aorta, o que dificultou um pouco o processo.

Já no quarto, o pequeno Miguel teve o quadro estabilizado, e a equipe explicou para a família que neste momento é esperar a recuperação para que possam dar continuidade no protocolo do tratamento.

Nesta segunda-feira (17), Miguelzinho foi desentubado e exames constataram a presença de uma pequena anemia e que seria necessária a transfusão de sangue. Por essa razão a família do pequeno está à procura de pessoas que possam ajudar.

As doações devem ser feitas em nome do Miguel Otávio Vilela Santos, e podem ser de qualquer tipo sanguíneo. No banco de sangue do HRMS, localizado na avenida Engenheiro Lutero Lopes, 36, no Conjunto Aero Rancho.

Como doar sangue

Para doar sangue é preciso estar munido de um documento oficial com foto, como a carteira de identidade ou de motorista. Os doadores precisam ter entre 16 e 69 anos (menor de idade acompanhado de pai ou mãe ou responsável legal) e com peso mínimo de 55kg. A primeira doação pode ser feita somente até 60 anos. Acima desta idade, apenas para quem já é doador de sangue.

Doenças que impedem a doação: doenças hematológicas, cardíacas, renais, pulmonares, hepáticas, autoimunes, diabetes, hipertireoidismo, hanseníase, tuberculose, câncer, sangramentos anormais, convulsões, ou portadores de doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue como Doença de Chagas, Hepatite, AIDS, Sífilis. Se estiver com gripe ou alergia deve esperar sete dias após sarar para doar sangue.

Para doar sangue é necessário estar bem alimentado, mas é fundamental evitar alimentos com excesso de gordura no dia da doação.

Ajuda

Orlando relatou que por conta de todo o tratamento a família estaria passando por dificuldades, e ainda precisa de ajuda. Por conta das vindas à Capital, ele e o pai não conseguem emprego, e apesar de estarem realizando a rifa, as dificuldades são grandes. “Pedágio, alimentação, gasolina. As contas, tudo fica complicado porque precisamos estar com ele aqui. Somos só eu e meu pai, minha esposa e minha filha ficam em casa, enquanto eu dou esse suporte”, explicou

Quem quiser ajudar a família do pequeno Miguel pode entrar em contato diretamente com Orlando no telefone: (67) 9 9689-0435.

 

Mais notícias