Família de bebê que caiu em vala diz não conseguir voltar para casa após tragédia

Mãe amamentava gêmeo da menina quando acidente aconteceu

Muito abalados, os familiares da pequena Jeniffer Lara Mendez Vicente, que morreu a caminho do hospital após cair em um buraco de uma construção no bairro Jardim Noroeste, se despedem da menina de 1 ano e 2 meses, na tarde deste sábado (18).

Carlos Wiliam Correa, pai da pequena. Foto: Minamar Jr

O pai da menina, Carlos Wiliam Correa, 24 anos, contou ao Jornal Midiamax, que recebeu a notícia quando estava na marmoraria onde trabalha, e não conseguiu nem ver a menina. “Eu tô separado da mãe dela desde o começo do ano, ela morava ali há uns 3 meses. Eu fui pego de surpresa com a notícia no trabalho, quando cheguei lá ela já tava dentro da ambulância, não consegui nem ver minha filha, não estou acreditando no que aconteceu”, disse.

Além de Jeniffer, Carlos é pai demais dois filhos com a mãe da menina. O irmão gêmeo e um outro menino de 5 anos.

Já a mãe da menina, Berenice Mendez, 31 anos, estava muito abalada e não conseguiu falar com a imprensa. Além das três crianças, ela tem mais dois filhos do primeiro relacionamento.

Madrinha e tia da menina, Débora Miranda Santos, 28 anos, disse a equipe, que ela e a Berenice moravam na casa há cerca de dois meses, e desde o ocorrido não conseguem voltar para casa. “Ela era uma das alegrias da casa, brincalhona. Espoleta como toda criança da idade dela. Nos mudamos para a casa a pouco mais de 2 meses, e não estamos conseguindo voltar para lá desde o acidente”, explicou.

Débora, mora em Campo Grande, há 4 anos, mas a irmã Berenice, veio para a Capital de Aquiadauna com o marido, e logo se separaram, por isso foram morar juntas. “Depois de três dias que mudamos, eles começaram as obras ali. Na falta coragem para voltar para lá. A nossa família é de Aquidauana, minha irmã veio para cá com o marido, e ela veio morar comigo”, conta.

Família se despede de Jeniffer, na tarde deste sábado. Foto: Minamar JR.

Berenice, estava em casa cuidando das crianças no momento do acidente, enquanto a pequena brincava com o irmão de 5 anos, a mãe amamentava o gêmeo da menina. No momento em que ele adormeceu e ela entrou para colocar o menino na cama, tudo aconteceu. “Foi muito rápido, ela ficava em casa cuidando das crianças, e a gente tá sempre muito atento, porque além da construção tem um buraco de fossa ali na frente da casa. Eles sabiam que tinha criança ali”, diz Débora.

“Poderiam ter tomado mais cuidado, eles sabiam que tem criança ali, o buraco fica ao lado de casa. Eles sabem que tem criança. Porque eles iam em casa pedir gelo e até deram refrigerante pros meninos tomarem”, conclui.

A família registrou um boletim de ocorrência ainda na sexta-feira (17), onde contaram sobre os problemas da obra que para eles não pode ficar daquele jeito. Mas muito abalados, cogitam deixar tudo e voltar para Aquidauana.

O velório acontece na Capela do Cemitério São Sebastião (Cruzeiro) localizado na avenida Cônsul Assaf Trad. O enterro está marcado para às 16h de hoje.

Mais notícias