Procon notifica operadoras por deixarem Corumbá e Ladário sem internet

As cidades vizinhas ficaram dois dias sem internet; 4 empresas de telefonia já foram notificadas.

As operadoras Vivo, Claro, Oi e Tim foram notificadas pelo Procon (Agência Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor) para que justifiquem a falha de serviço registrada em Corumbá e Ladário no último sábado (7) e ontem à tarde (10). De acordo com a agência, as operadoras tem o prazo de 10 dias para apresentar a explicação do ocorrido.

A falha de serviço aconteceu durante a tarde de sábado e voltou a ocorrer na tarde desta segunda-feira  deixando moradores de Corumbá sem comunicação das 14h às 21h. De acordo com a coordenação do Procon, as quatro empresas foram notificadas e se não houver explicação no prazo de 10 dias, será aberto um procedimento administrativo.

Segundo a coordenadora do Procon, Rejane dos Santos, a falha costuma ocorrer devido as operadoras dependerem da fibra ótica da operadora Oi “ Se a Oi tem problemas, consequentemente, as outras operadoras também caem. Já notificamos todas”, explica Rejane.

Serviços de órgãos públicos, privados, e bancos ficaram sem internet não só em Corumbá, mas também em Ladário. A Polícia Civil informou que o problema foi provocado por um problema nas fiações de uma empresa de telefonia, ocorrido próximo ao Buraco das Piranhas. Somente os telefones fixos estavam funcionando na cidade.

De acordo com o site Diário Corumbaense até mesmo a Justiça Eleitoral, que estava realizando o cadastramento biométrico obrigatório até 31 de outubro, não teve condições de atender os eleitores. Alguns ainda ficaram esperando, em vão, o sistema voltar; outros foram embora.

A assessoria da Oi disse que houve um rompimento no cabo de fibra ótica causado por incêndios na vegetação na região de Porto Morrinho. O rompimento teria acontecido no último sábado e ocorreu novamente esta segunda. Segundo o Procon, caso não haja explicação para o ocorrido, será encaminhado um processo administrativo para as quatro operadoras.

 

 

 

 

 

 

Mais notícias