Consórcio reclama de baixa arrecadação e prefeito sugere mais ônibus com ar-condicionado

Com arrecadação de R$ 12 milhões no ano, João Rezende falou de "situação difícil" e ouviu resposta 'na lata' de Marquinhos Trad

Durante agenda pública nesta quinta-feira (22) para a assinatura do termo de uso dos contêineres em sete pontos de ônibus de Campo Grande, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) sugeriu que o Consórcio Guaicurus adquirisse novos ônibus com ar condicionado para ter maior arrecadação na Capital.

Presente na reunião, o presidente da empresa, João Rezende, disse que o Consórcio Guaicurus está passando por “uma situação difícil” e citou exemplos de outras cidades no país que tiveram arrecadação parecida e, em tese, sofrem “ameaça” de aplicativos de mobilidade.

“Participei de um seminário em Brasília e conversando com prefeitos de outras cidades, tive conhecimento da cidade de São José dos Campos […] que tem uma frota de 390 ônibus e no mês de julho essa frota faturou R$ 15 milhões, enquanto o Uber faturou R$ 14 milhões. É algo expressivo e nos colocam em sinal vermelho”, disse Rezende, apesar do Consórcio Guaicurus ter arrecadado R$ 12 milhões líquidos em 2018.

Após a afirmação diante os participantes da solenidade, o presidente do consórcio recebeu uma dica do prefeito para que a empresa possa arrecadar mais e não ser intimidada pelos aplicativos urbanos. “Vou te dar uma dica, se lá a Uber arrecadou R$ 14 milhões e a viação, R$ 15 [milhões], coloca mais ônibus com ar condicionado e arruma melhor essa frota que você vai recuperar isso daí. Aumenta o conforto pra gente”, pontuou Trad.

Apesar do pedido do prefeito, a Agereg (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos) já adiantou que os novos ônibus que devem chegar até o final do ano não terão ar condicionado.

Lucro de R$ 12 milhões

Uma empresa de consultoria revelou em estudo que durante todo o ano passado, o Consórcio Guaicurus teve um lucro líquido de R$12.289.916,89, considerando R$ 11,1 milhões do consórcio e R$ 1,1 milhão da Assetur, associação que administra o grupo de empresas. O montante milionário representa que por mês, durante o ano passado, as empresas lucraram mais de R$ 1 milhão, já com todos os encargos, salários e custos descontados.

O consórcio também apresenta 18 cenários possíveis de lucro da empresa no prazo de 5 a 7 anos dependendo do valor da tarifa. De todas as projeções, em apenas duas delas as empresas operariam no vermelho. Daqui a 7 anos, por exemplo, com uma tarifa custando R$ 3,75 o consórcio ainda teria lucro líquido de R$ 469 mil em um ano.

Os melhores cenários de lucro para os empresários seriam, claro, com a tarifa pesando mais ainda no bolso do passageiro. Na projeção daqui a 5 anos com tarifa de R$ 4,49, o consórcio fecharia o ano lucrando o montante de R$ 19,1 milhões líquidos. O mesmo valor de tarifa daqui a 7 anos renderia incrível lucro de R$ 23 milhões no ano.

Mais notícias