Com promessa de melhorar atendimentos, especialistas do Sírio-Libanês visitam HRMS

Comitiva faz parte de projeto custeado pelo SUS para consultoria a hospitais

O Hospital Regional Maria Pedrossian recebeu, na manhã desta quarta-feira (13), técnicos do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, que vieram à Campo Grande para a primeira visita técnica à unidade, dentro do projeto ‘Lean nas Emergências’.

Anunciado pelo titular da SES (Secretaria de Estado de Saúde), Geraldo Resende (PSDB), o Lean nas Emergências integra o Proadi-SUS (Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde), em parceria com o hospital paulistano, e busca reerguer a credibilidade do HRMS, além de melhorar o atendimento ao público, principalmente no PAM (Pronto Atendimento Médico).

Segundo Resende, projeto durará até 18 meses, com o objetivo de otimizar serviços de emergência do HRMS (Foto: Marcos Ermínio | Midiamax)

Segundo o secretário, a estratégia é recorrer à expertise do Sírio-Libanês para evitar desperdícios na gestão e mudar estrategias, com foco inicial do atendimento do PAM.

“A equipe do Sírio-Libanês vai auxiliar o plano estratégico do HRMS. Esta é a reunião preliminar, nosso primeiro contato. Mas, os especialistas virão até nós a cada 15 dias, durante seis meses, para prestar essa consultoria, identificar nossos erros e potencializar os acertos. E, após esse prazo, terão doze meses para dispensar monitoramento”, detalha o titular da SES.

Lean nas Emergências

Equipe do Sírio-Libanês que esteve presente nesta manhã no HRMS (Foto: Marcos Ermínio | Midiamax)

Custeado pelo Proadi-SUS, a consultoria do Sírio-Libanês foi firmada com o Ministério da Saúde em 2017 e, desde então, já a atua em 36 hospitais de 16 Estados. De acordo com o projeto, dentre os resultados estão redução de 37% no tempo de espera nas urgências-emergências; redução de 59% no tempo de passagem; e redução em 1,9% do tempo de internação.

“Nosso objetivo é fazer com que as pessoas estejam no lugar certo e dentro do tempo certo. Vamos ensinar a como fazer isso, e o hospital vai aplicar no dia a dia. Para isso, vamos executar ações para evitar superlotação, após buscar entender o fluxo de entrada, de permanência, de internação e de saída, para que todo esse processo aconteça no tempo certo”, destaca Ana Carolina Brasil, gerente do Lean nas Emergências.

Credibilidade

Após ser imerso em escândalos de corrupção no fim do ano passado, O HRMS passou a enfrentar descrédito após insuficiência de insumos e de medicamentos, que chegaram a cancelar procedimentos cirúrgicos na unidade.

A partir disso, a SES anunciou um plano emergencial para recuperar a credibilidade do hospital, cujos primeiros passos não foram detalhados à imprensa durante a visita técnica dos especialistas do Sírio-Libanês. Porém, o diretor-presidente do HRMS, Márcio Eduardo de Souza Pereira, destacou a necessidade de transformar a entidade.

Diretor-presidente do HRMS destacou que trata com a Sesau a necessidade de apoio do município (Foto: Marcos Ermínio | Midiamax)

“O Sírio-Libanês é uma grande referência. Ainda estamos longe dele. Mas, vamos aprender a como chegar ao mesmo nível num curto espaço de tempo”, destacou.

Segundo Pereira, tratativas estão sendo feitas com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) “É um conjunto. Estamos em conversa com a Prefeitura porque só o Estado não vai resolver sozinho a situação do hospital. É preciso uma educação continuada para entender o que é urgência e o que precisa ser regulado”, declarou o diretor-presidente.

Em 2018, de acordo com a SES, o HRMS realizou 65 mil consultas médicas, 27 mil atendimentos no PAM e fez 14 mil internações, além de cerca de 3.500 cirurgias. De acordo com Resende, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, deve receber o titular da SES para tratar de reforma no hospital.

“Queremos apresentar um projeto que possa recuperar do solo ao teto do Hospital Regional, com reformas não só na parte física, mas também na hidráulica, na elétrica… Queremos fazer um novo Hospital Regional”, concluiu o secretário.

Mais notícias