Cigarros apreendidos pela Receita Federal serão utilizados em vermicompostagem

Um dos principais fatores levados em consideração para aderir ao tratamento biológico é eliminar o processo tradicional de incineração

A Receita Federal e a UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) de Mundo Novo firmaram parceria nesta semana e darão início a um projeto para a construção de um espaço que vai desenvolver a vermicompostagem através de cigarros apreendidos.

Um dos principais fatores levados em consideração para aderir ao tratamento biológico é eliminar o processo tradicional de incineração, mecanismo que quando não manejado adequadamente resulta em sérios danos à saúde dos servidores, além de causar impactos significativos ao ecossistema.

O projeto tem um cronograma inicial de execução previsto para 24 meses, período este dedicado a otimização do processo de vermicompostagem, utilizando também, além dos cigarros apreendidos, dejeto bovino. Operando em condições otimizadas, o tratamento biológico terá continuidade por um período de médio a longo prazo.

A execução do projeto contará com o apoio de professores com conhecimento técnico na área de tratamento de resíduos e qualidade de vermicomposto. O projeto também contará com a participação dos servidores da Receita Federal e de alunos dos cursos superiores de Tecnologia em Gestão Ambiental e Ciências Biológicas da UEMS/Mundo Novo.

Com a estruturação da vermicompostagem, UEMS e Receita Federal planejam incluir os reeducandos do projeto em parceria com o Poder Judiciário de Mundo Novo na execução do tratamento biológico, o que permitirá a integração dos mesmos com as atividades de pesquisa da UEMS.

Essa ação, além de potencializar o desenvolvimento científico e a preservação ambiental, caracteriza o projeto de vermicompostagem como uma ferramenta importante de inserção social.

“O processo de vermicompostagem de cigarros será um marco no processo de destinação ambientalmente segura desse material. Adicionalmente aos benefícios econômicos, sociais e ambientais, ficará evidenciado o comprometimento da Receita Federal com o gerenciamento sustentável de todo o material apreendido”, afirma Leandro Fleck, professor da universidade.

A efetivação da parceria entre as instituições representa um marco para a sustentabilidade ambiental, confirmando a preocupação da UEMS de Mundo Novo com todas as questões ambientais que direta ou indiretamente afetam a qualidade de vida dos cidadãos sul-mato-grossenses.

Mais notícias