Carpa, tilápia e lambari: cardume surpreende quem passa pela Ernesto Geisel

A explicação pode ser pelas condições da água durante o trecho do córrego

A cena de um cardume de peixes e vários cágados no córrego Segredo na Avenida Ernesto Geisel, uma das principais vias do centro de Campo Grande, chamou a atenção de alguns leitores que enviaram fotos ao Jornal Midiamax imaginando que os peixes pudessem estar morrendo ou procurando por oxigênio.

Mas por qual motivo os peixes estariam buscando as margens do córrego, se aproximando tanto do concreto ao invés de estarem nas águas que percorrem o córrego?

Carpa, tilápia e lambari: cardume surpreende quem passa pela Ernesto Geisel
Cágados se misturavam com os peixes. (Minamar Júnior, Midiamax)

“Provavelmente pela oxigenação da água. Podemos considerar que o rio possui uma boa capacidade de autodepuração e isso compromete a qualidade da água”, assim explica o biólogo, José Lombo.

O cardume que reúne peixes das espécies carpa, tilápia e até mesmo lambari, se juntaram em uma rasa quantidade de água, onde segundo o biólogo “as condições do rio oferecem melhores condições aos peixes”. A oxigenação da água também é um ponto a ser levado em consideração para o agrupamento dos peixes próximo a uma boca de lobo.

“Às vezes não é a quantidade de água que vai fazer com que os peixes prefiram essas águas. Eles podem vir para áreas mais rasas, porém as condições do trecho do rio sejam ideal para eles. O tempo todo eles estão à procura de locais propícios, atrás de alimentos ou atrás de condição melhor de respiração, de temperatura”.

Os cagados por serem da espécie dos répteis não precisam do ambiente aquático para sobreviver e conseguem “se virar” fora deles. A relação próxima que possuem com os peixes passa basicamente pela sobrevivência e pela alimentação, onde apesar de serem mais resistentes as questões aquáticas, precisam ser alimentar de larvas, insetos e pequenos peixes.

Carpa, tilápia e lambari: cardume surpreende quem passa pela Ernesto Geisel
Carpa, tilápia e até lambari estão entre as espécies no córrego. (Minamar Júnior, Midiamax)

“Eles precisam que os peixes estejam lá, logo a qualidade da água precisa ser suficiente para abranger a população de peixes. Se os peixes estão lá e resistem a tanto tempo, significa que as condições daquele trecho estão satisfatória”.

A ausência de peixes mortos na abrangência do córrego pode ser respondida pelo fato de que não há nenhum fluxo de poluição que transita pelo rio e atinja diretamente os peixes.

Carpa, tilápia e lambari: cardume surpreende quem passa pela Ernesto Geisel
Mais notícias