Após sobrevoos, bombeiros identificam 4 pontos críticos de incêndio em MS

Força-tarefa elabora estratégia para conter avanço dos incêndios

A utilização de aeronaves para sobrevoos em regiões de Mato Grosso do Sul durante a quarta-feira (11) permitiu identificar quatro pontos críticos de incêndio, que deverão receber mais atenção devido o risco de que os incêndios se intensifiquem.

Sala de Situação emitirá relatório semanal | Foto: Henrique Arakaki | Midiamax

A informação foi apresentada na manhã desta quinta-feira (12) durante reunião entre o Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, PMA (Polícia Militar Ambiental) e outras entidades, na Sala de Situação da Defesa Civil, no Parque dos Poderes, em Campo Grande.

Segundo os integrantes da força-tarefa, os sobrevoos foram decisivos para identificar a proporção dos incêndios nas áreas críticas. São apontados como prioritários incêndios em Aquidauana, próximo a BR-262 e na fazenda Caiman; em Corumbá, na fazenda Piúva; e na região da Serra da Bodoquena. Outro foco, mas que já estaria em processo de controle, fica na região da aldeia Taunay-Ipegue, também em Aquidauana.

“Era necessário fazer esse sobrevoo por conta do aumento dos focos de calor. A inspeção aérea ajudou a identificar as áreas de incêndio, mesmo que o satélite apontasse onde eles estão. Agora temos dimensão”, declarou o tenente-coronel Moreira, chefe do Centro de Proteção Ambiental do Corpo de Bombeiros.

Fazenda Caiman, em Corumbá, é um dos pontos críticos | Foto: Divulgação | Corpo de Bombeiros

A reunião na Sala de Situação proporcionou compartilhamento de informações importantes, tais como equipes locais que já estariam combatendo o fogo em alguns dos pontos críticos. “Estamos definindo estratégia para combater os focos de incêndio, mas já temos pessoas atuando, neste momento”, acrescenta Moreira.

Sem chuva

A perspectiva de chuvas que sejam efetivas contra os incêndios em MS é muito baixa. De acordo com as análises climáticas, a estiagem pode atravessar o mês de outubro sem precipitações significativas, o que pode até mesmo agravar a situação. Além do calor intenso e a falta de chuva que dificulta o combate aos incêndios, o crescimento da vegetação também prejudica o combate.

Para coordenador da Defesa Civil de MS, situação é crítica e chances de chuva significativas somente em novembro | Foto: Henrique Arakaki

Na manhã desta quinta-feira, decreto de situação de emergência foi publicado, na perspectiva de, entre outras medidas, trazer reforços para ajudar a combater o fogo. Nove municípios do MS estão na lista, mas o número de municípios pode aumentar.

Nesse contexto, o uso de aeronaves pode fazer diferença. Uma aeronave modelo C130 Hércules já foi solicitada ao Cenad (Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres), para conter o fogo nos lugares de maior foco de incêndio.

“Estamos esperando a devolutiva do Cenad, que é o órgão que faz contato com os outros Ministérios. Nossa situação é crítica e as perspectivas não são boas”, explica o coordenador da Defesa Civil, Coronel Catarinelli.

Mais notícias