Após corte, pais e profissionais que atendem alunos especiais organizam manifestação

Pais e professores prometem manifestação a partir das 14h em frente ao MP localizado no Centro

Pais de alunos especiais e docentes que atuam como APE (Auxiliar Educacional Especializado) farão uma manifestação na tarde desta terça-feira (16) contra o corte de profissionais anunciado pela Semed (Secretaria Municipal de Educação).

A manifestação começa a partir das 14h, em frente ao MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) localizado na rua da Paz, Centro de Campo Grande. Durante o ato, o grupo pretende ingressar com um mandado de segurança para evitar o desligamento dos profissionais, que tem contrato de um ano.

De acordo com uma das organizadoras do protesto, que é mãe de uma das crianças atendidas por um profissional APE, Helenice Fátima Duarte, de 41 anos, a mudança agora no meio do ano pode ser de grande prejuízo para o aluno, que estuda da Escola Municipal Geraldo Castelo.

“Vai acontecer com o Pedro Henrique o mesmo que em 2017, quando também fizeram uma troca no meio do ano. Ele vai retroceder, porque ele tem um vínculo muito bom que esse profissional e se trocar ele não vai querer ir para a escola, e quando for terá crises, como já ocorreu”, lembrou a doceira.

Segundo Helenice, o filho, de 9 anos, tem grau severo e precisa do apoio do APE para acompanhar os conteúdos apresentados em sala de aula. “Para eles criarem esse vínculo demora, pelo menos, dois meses, então esse ano o Pedro Henrique vai perder o resto do ano sem aprender nada”, avalia.

Em comunicado a Semed informou sobre o desligamento de alguns profissionais, mas salientou que os alunos não ficariam desassistidos “pois continuarão recebendo atendimento especializado, o qual se dará por meio de profissionais devidamente acompanhados e capacitados pela Equipe Técnica da Divisão de Educação Especial/DEE/Semed”.

Ainda conforme a nota da secretaria, as mudanças são de “caráter técnico-administrativos” e que poderia ser feito em qualquer órgão público.

Após corte, pais e profissionais que atendem alunos especiais organizam manifestação
Mais notícias