Advogados protestam em frente ao Fórum e cobram imparcialidade do Poder Judiciário

Profissionais manifestaram após vazamento de mensagens atribuídas a Moro

Um grupo de advogados realizam protesto na tarde desta sexta-feira (14) em frente ao Fórum de Campo Grande cobrando imparcialidade do Poder Judiciário. A manifestação aconteceu após vazamento de mensagens atribuídas ao juiz Sérgio Moro e o procurador da República, Deltan Dallagnol.

Os manifestantes destacaram que um juiz não pode estar combinado com um dos lados da demanda, pois, não há saída para a pacificação social e para o desenvolvimento da sociedade enquanto civilização sem um Judiciário sério e isento.

O organizador do protesto, advogado José Trad, disse que se trata de uma manifestação sem partido que busca destacar a imparcialidade no judiciário brasileiro.

“Nós sabemos que, quando o juiz está combinado com uma das partes, não há processo, mas sim uma simulação em que uma das partes fica em absoluto prejuízo. Afinal de contas, por mais que ela tenha direito, razão e esteja tutelada pelas garantias legais e constitucionais, o juiz nunca vai lhe dar razão porque ele já está comprometido, pré-disposto a julgar de acordo com os interesses da outra parte”, destacou.

O advogado Thiago Alves da Silva completa que, como jurista, tem o compromisso com a Justiça e com a isenção para que toda essa estrutura do Poder Judiciário funcione de modo correto e como garantia da cidadania. “Esse manifesto é realizado devido a essas notícias que vieram à tona, revelando um complô entre o MPF (Ministério Público Federal) e a Justiça Federal para violar as garantias da cidadania e é em nome disso que estamos protestando. Estamos aqui, não só por hoje, mas até a recuperação de um estado de normalidade das nossas instituições”, garantiu.

Para a advogada Gisele Marques, esse manifesto é em defesa da Justiça. “Uma das grandes conquistas da nossa civilização é a Justiça imparcial. Um dos pilares do Estado Democrático de Direito é uma Justiça neutra, que possa ser mediadora dos conflitos da sociedade e a postura do juiz federal Sérgio Moro, ao se revelar uma postura parcial em que ele aconselha uma das partes do processo sob sua jurisdição, no caso o MPF, comportando-se como um militante político partidário, envergonha a magistratura brasileira e os cidadãos brasileiros”, pontuou, questionando que se a Justiça não for neutra, quem protegerá os fracos.

O advogado José Marcos Maksoud Júnior, da AAJUR (Associação Sul-Mato-Grossense dos Advogados do Tribunal do Júri), destaca que esse protesto é para demonstrar a insatisfação com o atual momento que está vivendo a Justiça brasileira.

“Serve para mostrar a nossa extrema insatisfação com casos evidentes de falta de imparcialidade de um juiz federal, o que afeta sobremaneira o Poder Judiciário. Acredito que esse movimento é uma luz para esse tipo de pensamento de falta de imparcialidade dos juízes, que é digno da Idade Média e que tem povoado e se instalado no Poder Judiciário do Brasil”, analisou.

Mais notícias