Adolescente faz ameaça de massacre e aulas de escola são suspensas em MS

Jovem estaria com ideia de massacre junto com outros seis amigos

A mesa na sala de aula que serviria para os alunos estudarem, foi gatilho para apresentar uma ameaça e causar pânico em toda a Escola Estadual Cel. Pedro José Rufino, no município de Jardim, distante a 238 quilômetros de Campo Grande. Nesta quarta-feira (29), uma carteira foi recolhida com a possível massacre contra os alunos.

“Amanhã vocês vão ver o que eu sou de verdade quando não houver nenhum sobrevivente nessa escola”, foram os dizeres escritos por um dos alunos da escola em claro tom de que algo aconteceria nesta quinta-feira.

Rapidamente a história se espalhou pelas redes sociais e logo foi o assunto mais comentado na cidade. Mensagens enviadas por um dos leitores do Jornal Midiamax, aponta que o aluno em questão, teria publicado em seus “status” do WhatsApp fotos das armas e uma mensagem como “É amanhã E.E.C.P.J.R”.

A situação mobilizou pais, alunos e a diretoria da escola, que decidiu por suspender as aulas para que não exista qualquer perigo para a população. Em um áudio encaminhado para nossa reportagem, é possível identificar uma garota, que possivelmente seria aluna da escola, temendo pelo pior.

Apreendido

Ainda na noite de quarta, a Polícia Militar encontrou o adolescente que seria o responsável por ter escrito as ameaças e encontrou as armas em sua casa, logo após a confirmação de que estaria planejando o ataque junto com outros seis amigos. Ele foi apreendido e espera pelas medidas que serão tomadas pela polícia.

Secretaria de Educação

Ao Jornal Midiamax, a SED (Secretaria de Estado de Educação), informou que a situação ocorrida na EE Padre José Rufino, de Jardim, na tarde desta quarta-feira envolveu uma suposta ameaça de ataque – não concretizada – por parte de um dos estudantes.

A secretaria foi informada que não houve interrupção das atividades na unidade escolar na manhã desta quinta-feira (30) e que as aulas seguiriam normalmente no período vespertino. A SED, por intermédio das Coordenadorias Regional de Educação (CRE), Gestão Escolar (Coges) e de Psicologia Educacional (Coped), acompanha o caso.

* Matéria atualizada às 14h45 par acréscimo de informações. 

Mais notícias